O que significa Calvinismo?

"Calvinismo significa que Deus, Senhor dos céus e da terra, é absolutamente soberano sobre todas as coisas, boas e más, na terra e no céu, e mais particularmente o calvinismo significa no que diz respeito à salvação que Deus escolhe e elege pessoas em Cristo que vem no tempo e coloca os seus pecados na cruz, de modo que pela Sua maravilhosa graça homens totalmente depravados e incapazes e sem qualquer livre-arbítrio, são trazidos voluntariamente ao Reino de Deus e guardados pela graça de Deus! Porque 'quem Ele predestinou também chamou, e quem Ele chamou também justificou, e quem justificou Ele também glorificou' - Romanos 8:30." Rev. Angus Stewart (www.cprc.co.uk)



segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

PERSONALIDADE DO ANO - Rev. D. James Kennedy

No ano que finda, 2007, um dos mais valiosos vasos de honra foi levado para o Palácio do Rei dos Reis. O Pastor James Kennedy, deixou um legado que prova que sua fé não era inútil. Deixou também muitas provas que para ser eficaz na pregação do Evangelho de Cristo não é preciso abdicar de valores e conceitos eternos da Palavra de Deus para a vida da igreja. Um Presbiteriano que soube prezar a herança que recebeu dos fundadores do movimento protestante.
O Papa em vigor na Igreja Romana falou nesta semana no problema que a sua instituição estava a sentir para ser atraente à sociedade contemporânea. Nas suas palavras era preciso repensar e tornarem-se o que o povo quer e precisa. Esta conversa é infelizmente cada vez mais ouvida nos meios evangélicos também. Não podemos esquecer as Discotecas que se têm tornado as igrejas de hoje, os circos religiosos que chaga ao cúmulo de ter nos pastores as figuras mais apalhaçadas do show. Ao dizer estas palavras meu coração sofre e chora, não tenho prazer nem me alegro com o que têm reduzido e descaracterizado a Igreja do Senhor Jesus Cristo. É preciso atrair as pessoas pela verdade, integridade e amor que de Cristo flui na Igreja que é o Seu Templo!
O Reverendo James Kennedy soube mostrar que se pode manter uma igreja sobre os mesmos fundamentos reformados e na boa dogmática e ainda assim crescer e tornar-se influente e interveniente na sociedade. Uma igreja sólida na liturgia e tradicional mas cheia de paixão e poder no Espírito Santo. Uma igreja audaz mas prudente. Um ministério de alcance que terá alcançado 5 milhões de corações para Cristo, sem abdicar de um único artigo da Confissão de Fé de Westminster com quase 5 séculos.
Escolhi traduzir um devocional do Dr. D. James Kennedy, que deixa aqui um pouco da sua personalidade em discurso directo. Bom proveito!

ATEÍSMO: A RELIGIÃO DOS TOLOS
"DISSE o tolo no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, e cometido abominável iniquidade; não há ninguém que faça o bem."SALMOS 53:1
A afirmação "Ateísmo a religião dos tolos" pode zangar algumas pessoas, mas vamos examinar a sua veracidade. Primeiramente, sabemos que os ateus são tolos porque Deus assim o diz em Sua Palavra. Em segundo lugar, a razão confirma a irracionalidade do ateísmo. Para um ateu provar que Deus não existe, ele ou ela teriam de procurar em cada canto do universo. A lógica chama a isto a "falácia da negação universal". Ninguém pode provar um "não universal" porque não se pode saber tudo. Você não pode saber com provas que um homenzinho verde habita no universo porque você não pode visitar cada planeta e cada estrela. No mesmo sentido você não pode provar que Deus não existe. Em terceiro lugar, a experiência prova que o ateísmo é estupidamente destrutivo.
Os filósofos do Nazismo e do Comunismo do século 20 terão assassinado cerca de 170 milhões de pessoas. Isto totaliza a soma de todos os que morreram nas guerras precedentes da história do homem. Da mesma maneira o ateísmo tem levado em alguns casos ao desespero e à insanidade. Nietzsche, fundador do movimento "Deus está Morto", foi internado, enraivicidamente louco durante os últimos 11 anos de sua vida.
Somente um pequeno número de americanos se rotulam de ateístas. De facto, muitos se consideram cristãos. Alguns frequentam a igreja aos Domingos, mas no resto da semana eles ignoram Deus, portanto são na realidade "praticamente ateístas". Outros que poderão ter chamado a si próprios nos últimos anos de ateístas, agora escondem as suas verdadeiras identidades atrás dos nomes do humanismo ou secularismo. O ateu diz, "abaixo com Deus". O humanista diz, "acima com o homem". Estes são aparentemente declarações opostas, mas comunicam as mesma coisa. A boa notícia é que o ateísmo não está a alcançar os seus objectivos.
Hoje, mais pessoas acreditam em Deus do que em qualquer outro tempo da história. Assim, mesmo quando os cristãos parecem loucos aos olhos do mundo, nós sabemos que Deus chamou os "loucos" para envergonhar os "sábios".
Hoje ore pelos seus amigos ateus. Ore para que eles se juntem a si como seguidores de Cristo. Ore para que eles experimentem Deus de tal maneira poderosa que nunca mais duvidem de Sua existência.
" maior pergunta do nosso tempo não é comunismo versus individualidade; nem Europa versus América; nem mesmo Este versus Oeste. É se o homem pode viver sem Deus." WILL DURANT

domingo, 30 de dezembro de 2007

PORQUE SOMOS PRESBITERIANOS? (Rev. Tokashiki)

"Eu sei em que tenho crido!" Esta deve ser a postura de todo membro presbiteriano. Para que esta convicção seja possível, temos diversos recursos para capacitar e treinar os nossos membros, como por exemplo, o discipulado, os grupos familiares, a classe de Catecúmenos, a Escola Dominical, estudos durante a semana de doutrina, literatura diversificada, sites, etc. Cada membro tem a oportunidade de conversar com o seu pastor e esclarecer as suas dúvidas.

Não somos uma denominação confusa, nem sem identidade. Desde o século 16, a nossa história tem testemunhado, em períodos, lugares e circunstâncias diferentes que o nosso Deus levantou servos zelosos e fiéis com a verdade e a pureza da Igreja para que lutassem pela fé que foi entregue aos santos (Jd vs.3). Somos Calvinistas. Entretanto, não podemos cair no erro de pensar que somos limitados ao ensino de um único homem. O reformador francês João Calvino nunca teve a intenção, nem permitiu que se criasse uma denominação com o seu nome. Mas, o seu nome foi emprestado à um sistema doutrinário que possuí características que diferem de outros sistemas doutrinários dentro do Cristianismo. Calvinismo é o sistema que "repousa sobre uma profunda apreensão de Deus em Sua majestade, com a inevitável e estimulante realização da exata natureza da relação que Ele sustenta na criação como ela é, e em particular, na criatura pecadora. Aquele que crê em Deus sem reservas, está determinado a deixar que Deus seja Deus em todos os seus pensamentos, sentimentos e volições - em inteiro compasso das suas atividades vitais, intelectuais, morais e espirituais, através de suas relações pessoais, sociais e religiosas" (B.B. Warfield, Calvin and Calvinism in: Works, vol. 5, pp. 354).

O nosso sistema de governo presbiteriano significa que somos regidos pelos presbíteros. Não somos congregacionais (onde todos decidem pelo voto direto), nem episcopais (onde apenas um superior decide sobre os demais), mas somos uma igreja democrática que é representada pelos presbíteros escolhidos pela igreja local. A base do nosso governo é que o concílio é soberano.

Estes são os princípios doutrinários do nosso sistema de governo:
1) Cristo é a Cabeça da sua Igreja e a Fonte de toda a sua autoridade. Esta autoridade encontra-se escrita na Escritura, de modo que, todos têm acesso ao seu conhecimento.

2) Todos os crentes devem estar unidos entre si e ligados diretamente a Cristo, assim como os diversos membros de um corpo, que se subordinam à direção da cabeça espiritual.

3) Cristo exerce a sua autoridade em sua Igreja, por meio da Palavra de Deus e do seu Espírito.

4) O próprio Cristo determinou a natureza do governo da sua Igreja.

5) Cristo dotou tanto os membros comuns como aos oficiais da sua Igreja com autoridade, sendo que os oficiais receberam adicional autoridade, como é requisito para realização dos seus respectivos deveres.

6) Cristo estabeleceu apóstolos como os seus substitutos, entretanto, eram de caráter transitório. O ofício apostólico cessou, mas a sua autoridade é preservada pelos seus escritos, isto é, o Novo Testamento.

7) Cristo providenciou para o específico exercício da autoridade por meio de representantes (os presbíteros), a quem separou para zelar da preservação da sã doutrina, fiel adoração e disciplina na Igreja. Os presbíteros têm a responsabilidade permanente de pastorear a Igreja de Cristo.

8) A pluralidade de presbíteros numa igreja local é a liderança permanente até a segunda vinda de Cristo.

A nossa liderança não pode instruir os seus membros conforme as suas predileções pessoais, nem movidos pela moda doutrinária do momento. O nosso princípio básico orientador é: a Escritura Sagrada é a nossa única regra de fé e prática. Os pastores e presbíteros devem ser fiéis ao sistema doutrinário e governo presbiteriano. O direito que a Igreja Presbiteriana do Brasil tem de determinar as qualificações dos candidatos a cargos eclesiásticos e de requerer-lhes fidelidade é constitucional, moral e bíblico. Por isso, quando alguém anseia tornar-se um ministro ou oficial presbiteriano, ele deve prestrar solene juramento público, requerendo-lhe conhecimento, entendimento, obediência e compromisso com a nossa identidade reformada.


A família presbiteriana e reformada no mundo está unida pela adoção dos padrões doutrinários de Westminster. Entre 1643 à 1646, se reuniu em Londres a Assembléia de Westminster, que foi um grupo com mais de 120 teólogos e líderes que vieram de diversas partes do Reino Unido (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda) e visitantes de outros países de confissão Calvinista. Este grupo dividiu-se em comissões e travaram em minunciosos debates, produzindo documentos doutrinários coerentes, precisos, concisos e vigorosos. Estes textos são conhecidos como os Padrões de Westminster: a Confissão de Fé e Catecismos Breve e Maior. Estes livros são usados como referência confessional, recurso de discipulado, treinamento de novos membros e devocional para o culto doméstico, em que cada família pode nutrir o seu lar com sã doutrina.


"O principal emblema teológico do presbiterianismo não é a sua eclesiologia [doutrina da Igreja], mas a sua teontologia [doutrina de Deus]. A doutrina da soberania é o centro da convicção presbiteriana. Todas as demais doutrinas são diretas ou por implicação resultado deste tema unificador. Héber C. de Campos observa que "o Deus que é pregado em muitos púlpitos e ensinado nas escolas dominicais, e lido em grande parte dos livros evangélicos, não passa de uma adaptação da divindade das Escrituras, uma ficção do sentimentalismo humano. Esse Deus, cuja vontade pode ser resistida, cujos desígnios podem ser frustrados e cujos propósitos podem ser derrotados, não é digno de nossa verdadeira adoração. De fato, esse não é o Deus das Escrituras."[1]


A soberania de Deus não anula a responsabilidade humana. W.E. Roberts de forma quase poética afirma esta verdade, declarando que "quanto mais claramente Deus é compreendido e a sua soberania reconhecida, tanto mais aceitáveis e obrigatórios se tornam os seguintes princípios: o homem é um ser livre, predestinado; a vida reta é um dever perpétuo estabelecido por Deus; a responsabilidade moral do homem foi preordenada pelo Espírito Divino; o juízo de Deus é inevitável e a libertação do castigo e da condenação só é possível mediante Jesus Cristo. A soberania, a lei e a justiça de Deus, em harmonia com a liberdade humana, fazem dos conceitos presbiterianos sobre o dever uma força moral austera e poderosa."[2]

Arminianismo num se aprende..., todo ser humano nasce arminiano! Entender e aceitar o Calvinismo é receber a graça que ofende o nosso orgulho, e repreende a desgraçada pretensão de ser livre [de Deus] e a estupidez de pensar que sou capaz de resistir ao soberano Senhor do universo, numa insensata e inútil crença de que "sou eu quem determina o meu futuro" e não o trino Deus!!! Concluir que o imperfeito, limitado, instável, insensato, confuso, ignorante, inábil, depravado e morto espiritualmente é capaz de frustrar o perfeito, infinito, imutável, sábio, onisciente e soberano Deus, é no mínimo não ter sequer noção de causação. O Arminianismo é uma tolice, se não bastasse ser antibíblico.

Creio que não é ofensivo ao meu Senhor Jesus quem/como deve ser batizado, nem quem/como se governa a igreja local [penso serem assuntos secundários ou periféricos em questão de doutrina, mas não menos importantes para a boa saúde da Igreja], mas entendo que é altamente ofensivo roubar a Sua glória de determinar a administração da Sua graça, bem como cheira blasfêmia dizer que o desgraçado pecador que é merecedor da mais intensa angústia do inferno, pretende ser superior em vontade à Ele."

--------------------------
Pode ler na íntegra os 9 textos deste título em:
--------------------------

sábado, 29 de dezembro de 2007

O Critério é o Dinheiro?

Esta semana ao entrar num consultório de um médico casado com uma crente da Assembleia de Deus, ele encontrava-se muito perturbado com umas obras no pavimento que corriam mal. Sabendo ele que eu e minha esposa somos evangélicos, rapidamente sentenciou que "o devorador estava em acção para o arruinar" e logo se seguiu uma correcta citação de Malaquias 3:10.
- Como ele é mais virado para o budismo, fiquei a pensar como é que o mais importante monómetro do agrado de Deus é para alguns as bênçãos financeiras. Fiquei a pensar que fé fraca que teria João Baptista à luz deste critério, pois o única prata que ele recebeu na terra foi uma bandeja para sua cabeça...
- Ao colocarmos em prática um arminianismo em nosso relacionamento com Deus, logo se levantam tantos problemas e uma permanente incerteza no bom governo de Deus. Lembro-me de um versículo da carta de S. Judas que diz: "negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo" que para além de claramente expor a natureza divina de Cristo, esclarece que Deus é o único dominador e que fracionar este domínio é negar ao próprio Senhor.
- Muitas são as provações de um justo, e isto de provações não são só nuvens negras no horizonte, mas como aconteceu com os discípulos, verdadeiras tempestades que nos levam a desesperar com as ondas do violento mar da vida.
- Quantos queridos irmãos estão padecendo necessidades por amor ao evangelho, outros morrendo pela fé em terras estranhas, outros sofrendo em hospitais, ou fechados em prisões, etc... Direi eu que a fé deles é fraca? Que o devorador está desbravando as suas frágeis sebes de confiança e obediência ao Senhor? Serei eu cruel com os amados de Deus por quem Ele pagou com o Seu precioso sangue?
- Não amados, vocês podem confiar que Deus não vos abandonou. Ele vos ama e vos fortalecerá no meio da provação. Abriguem-se na Rocha da nossa Salvação e a Seu tempo Deus nos dará socorro no meio da angústia. Estão vossos nomes sendo colocados ao lado de tantos outros que a Escritura Sagrada tem dado por exemplo à Igreja do Senhor!

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Uma Igreja Histórica Cheia de Vida

Pela primeira vez na minha vida e depois de 10 anos de crente evangélico, tive o prazer de celebrar a quadra natalícia com Hinos tradicionais e o Culto focalizado no nascimento do nosso bom Senhor Jesus Cristo.
Fiquei pensativo ao me lembrar de bons irmãos amigos que têm um certo pavor a uma liturgia tradicional... um pouco como aquela expressão "como o diabo foge da cruz".
Fui visitar uma igreja do presbitério e um irmão já bem avançado na idade, me encheu com as suas palavras cheias de vitalidade e esperança. Irmãos como estes, que para muitos já são só peso, são uma mais valia indispensável na igreja e até na sociedade. Toda a experiência com Deus que nos poderão encher de confiança no Senhor nosso Deus, não pode ser encontrada nos jovens entusiastas mas sem marcas e cicatrizes para a glória de Deus.
Muitos movimentos modernos de fé cristã desprezam o legado que lhes foi deixado com tanto sacrifício. A Bíblia dá uma mensagem clara a como todos são preciosos e indispensáveis no corpo de Cristo, inclusivé estes verdadeiros pais a quem devemos honra por mandamento mosaico.
Quantas vezes foi uma criança levada à igreja por uma vizinha, uma amiga, uma parente idosa que insistentemente levou semana após semana a aprender sobre o verdadeiro Deus numa igreja simples? Mais tarde poderá ser que esta criança se torne uma ingrata adulta que tem alergia à tradicional maneira de ser igreja... quem sabe se muitos dos fundadores de movimentos modernos não têm uma história similar?
Uma igreja que se mantém apegada à fé tradicional e ao amor tradicional é uma igreja cheia de vida. O cuidado a ter é manter a igreja com os seus membros bem nutridos na boa e sã doutrina da Palavra Escrita de nosso Deus!
Uma igreja cheia de vida é uma igreja cheia e abundante no conhecimento e na graça do nosso Senhor Jesus Cristo e não uma igreja com um determinado percentual de membros jovens, ou uma taxa de crescimento anual de x...
Neste natal que os palácios de algumas igrejas se lembrem que foi numa estrebaria que os homens avisados por Deus poderam encontrar o menino Jesus. Neste natal que possam lembrar-se que foi numa rude cruz que o Senhor alcançou a vitória e a salvação dos pecados do Seu povo e não num palácio com mesa posta com ouro e prata. Neste natal que todos possamos pensar em como Deus usou o bem e o mal dos homens para cumprir cada uma das profecias sobre o nascimento do seu Filho Amado.
Feliz Natal

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Limitando a Deus

Imagino que quando as culturas dos povos eram confrontadas com a fé do povo de Deus num único Deus, talvez eles achassem que estariam a limitar o mundo espiritual. Na concepção meramente humana tudo o que é centrado é limitado. A sociedade diz algo semelhante dos crentes hoje. Quem não tem uma vida boémia, profana e mundana está a limitar a sua vida, segundo esse entendimento terreno. Eu li porém na Bíblia logo quando me converti que o homem não deve dar a sua honra a qualquer mulher, mas guardá-la para aquela a quem ele quiser honrar com o melhor e exclusivo seu.
O movimento assustadoramente penetrante da deformação das igrejas históricas em dancerias evangélicas e cultos iso-histéricos-pseudo-carismáticos faz o mesmo com o pensamento dos que cuidam de se restringirem à Palavra de Deus, rejeitando todos os ventos estranhos de doutrinas de demónios que afloram e se espalham em nossos dias.
A primeira conclusão directa e lógica que poderemos constatar sobre a continuidade da profecia e dos dons, é que cai a doutrina da Suficiência das Escrituras Sagradas. Por ser preciso algo mais, não é afinal suficiente. Eu me recusarei a considerar qualquer prática que agrida as doutrinas mais importantes da fé cristã.
Quando o meu Deus é maior do que todos os falsos deuses das nações, a minha fé na Palavra está segura na mais firme das revelações. É a mais elevada forma de comunicação que Deus escolheu para se revelar aos seus e pela loucura da pregação da mesma vem o poder de transformar corações, voltando-os em arrependimento genuíno para Deus.
A minha Bíblia não limita em nada o agir do Espírito Santo, antes, se for mesmo o Espírito de Cristo, o irá corroborar e dará todo o vapor a esse mesmo mover de Deus. Só limita e trava tudo o que é falso e estranho a Deus, mesmo que os homens queiram pela força impor tais regimes de práticas no meio da igreja.
Não sei quanto a ti. Se embarcas em botes de outros ou não. Mas quanto a mim e a meu lar, serviremos a Deus... pela Sua poderosa e eterna Palavra Viva!

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

A Graça de Deus... E as Indulgências Pentecostais

"E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda." Atos dos Apóstolos 3:6

A graça de Deus não é somente a dádiva independente e unilateral do Soberano Senhor do cosmos, mas também a capacidade e o poder de realizar tudo quanto Deus quer. A graça é algo que Satanás quer prioritariamente obscurecer do entendimento da igreja de Cristo. A graça é algo que o Diabo não pode nem por sombras, nem por luzes de engano, falsificar. Assim, resta ao inimigo das almas dos salvos, primeiramente distorcer a compreensão e depois apresentar o seu produto sucedâneo.
Quando eu dava os primeiros passos na fé numa igreja pentecostal e carísmática, via um irmão subir os degraus que conduziam ao salão principal de cultos com muita dificuldade. Este irmão tinha um sapato com uma sola de um palmo de altura pois tinha uma perna mais curta que outra. Este irmão ouvia "quem crer pode ser curado" e ele cria. Durante os cinco anos e meio que fui membro naquela congregação, via sempre aquele irmão presente nos cultos, subindo e descendo degraus com a mesma perna e o mesmo sapato alto.
A graça que os apóstolos demonstravam em suas vidas não pedia neste caso a este homem para crer, mas antes lhe ordenava com uma autoridade e uma sublime submissão ao que o Espírito Santo lhes comandava a fazer. Este homem subiu e desceu estes degraus testemunhando da graça de Deus. Esta graça tão mais valiosa do que as esmolas que ele acreditava poder receber da parte de Pedro. Este homem coxo esperava qualquer coisa da parte de Pedro e João, mas Deus não deu o que este homem esperava, O Senhor não lhe deu simplesmente qualquer coisa, mas Cristo (que ele não conhecia e logo não podia exercer fé Nele) lhe deu uma revelação da Sua maravilhosa graça soberana (a qual ele não esperava nem imaginava poder receber).
Como podemos ver estes dons de cura ser exercidos da mesma maneira pelos operadores de milagres, sinais e maravilhas de hoje? Algo que sempre me irritou na matemática, foi quando nas contas de divisão o número achado não era um número inteiro e tinha um resto. Este número dos apóstolos era um número redondo! Este registo no livro dos Actos dos Apóstolos glorifica a Deus por inteiro, sem resto algum! Esta divisória cabe toda a Deus. Onde está a matemática destes falsos apóstolos dos dias de hoje? O número mais gordo e churudo (€€€€) fica para eles enquanto a amargura, a tristeza, o desapontamento e o resto de todo o esfriar do amor de muitos fica do lado daqueles que recai a indulgência da fé dos ministros pentecostais!
Benny Hinn afirmou várias vezes que a culpa de alguns não receberem a cura ou de sequer a manterem era a falta da fé destes. Isso tem uma palavra em meu vocabulário e não é graça... é crueldade!
Jesus diz ainda hoje ao seu povo "Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me."

sábado, 15 de dezembro de 2007

Confissões de um Crente

Quando eu olho para trás, e por estar a fazer um balanço a 10 anos de cristão evangélico este mês de Dezembro, posso ver que muitas coisas que fiz que hoje entendo que não posso mais continuar a fazer foi por interiorizar e aceitar doutrinas importadas de mãos humanas.
As experiências de outros passaram a ter o meu aval numa inocência repreensível se considerarmos os avisos da Palavra de Deus para que cada um ande na revelação que Deus lhe tem dado. Ora, isso me fez passar por longos e constantes períodos de angustia diante de Deus e me afastar da simplicidade que há em Cristo.
Eu me converti ao ler a Bíblia, mais precisamente os 4 evangelhos de uma acentada. A pessoa de Cristo se fez tão real para mim e isso foi o motivo de sentir uma necessidade urgente de me unir à Sua igreja e partir em busca dela. Desde esse dia eu tive em meu coração e se foi aclarando a imagem dessa igreja.
Foi fácil descartar os Testemunhas de Jeová e os Mórmons por ser óbvio que eles não faziam o que os magos fizeram quando se chegaram a Jesus: não o adoram nem o servem, mas suas doutrinas falsas o diminuem. E quanto a estes não tive problemas, mesmo sem ajuda humana que me auxiliasse. O meu Salvador não poderia ser o outro Cristo pregado por estes heréticos.
Porém, nada me havia preparado para a falta de carácter e a falta de vergonha de outros que o exaltam com os lábios mas seus corações estão longe Dele e achegados sim aos seus ventres, às suas necessidades, às suas vontades e aos seus desejos. Uma trança entre a verdade e o erro, uma mistura entre o sacro e o profano, uma aparência desprovida de sincera essência!
Passei a congregar numa igreja de show ao Domingo, em que a Bíblia era elevada nas mãos dos pregadores mas raramente a deixavam falar, os cultos eram um rastilho incandescente que terminava num fulminante de carnaval na vida dos líderes sinceramente errados.
Se não tivesse lido em livros, ouvido em pregações e confrontado por irmãos eu nunca teria tido muitas das muitas ideias pentecostais e arminianas que começaram gradualmente a afogar a minha fé. Eu lembro-me do dia em que chorava diante de Deus, "Pai porque não falas comigo" porque um livro dizia que Deus se manifestava de forma audível e eram os meus sentidos o ponto de contacto com esse Deus, mas logo que abria a Palavra recebia um bálsamo que me curava a ansiedade, que me libertava da tristeza e que me aclarava a visão do meu Senhor e Redentor Jesus Cristo, o Filho do Deus Vivo!
Sola Escritura, não foi algo que eu adoptei de outro humano. Eu fui encontrando aqui e ali e recolhendo outras referências de pessoas que eu descobria estarem de acordo com o que realmente Deus havia colocado em meu coração. Um dia disse a um irmão "só os mortos me entendem" ao referir-me aos reformadores e não ver nos dias que correm correspondência com os seus ensinos.
Estava num beco sem saída. Estava num ponto sem retorno. Estava encurralado e sem alternativa. Fora convidado a buscar um outro lugar onde me sentisse bem e já farto de tantas pressões aceitara a oferta e saíra sem conhecer onde iria. Mas o Senhor é o meu auxilio e a Sua misericórdia é para sempre. Onde me fecharam uma porta, Deus fez uma nova esperança surgir diante dos meus olhos. Não tenho dúvidas que o Deus da minha Salvação é um Deus de milagres... contudo é pela graça e não por qualquer coisa que o homem tenha para fazer ou dar!
Sola Gracia!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Quando o Crente Ora

Em primeiro lugar quero esclarecer que o "quando" está subentendido no "o crente ora". É verdade também que o crente tem suas lutas com a oração apesar desta ser parte da sua vida. Podemos orar e orar mal, orar sem fé, orar sem tempo, o que vai dar quase no mesmo que não orar.
Eu sei que acontece muito quando eu oro... principalmente em mim mesmo. Sinto uma força renovadora que me conduz com sede da Palavra de Deus, sinto um despertar para me arrepender de muitas obras mortas, sinto um renovo e um alento em servir a Deus, sinto um abater de meu orgulho e altivez e uma humildade crescente, sinto uma tristeza profunda pelos meus pecados e uma vontade muito grande que Deus me auxilie com a Sua presença Santa.
Quando eu oro começo a lembrar-me de muitos amados e a nutrir de uma grande afeição e misericórdia por cada um deles. Lembro-me de cada uma das ofensas com que me ofenderam e as vejo desvanecer diante da ofensa maior que eu ofendo a Deus. Fico aflito e logo fico regozijante com a grandiosa salvação que Cristo me concedeu, mas mesmo assim há como que um lamento por cada transgressão feita.
Eu levo qualquer problema ao meu Deus, pois sei o quanto Ele é maior que o mais pesado pesar de minha alma. Quando estou doente Ele é meu primeiro auxiliador e socorro, quando estou triste e aflito Ele é meu disciplinador. Quando olho em redor e vejo o mundo a ruir sei que Ele está governando cada pássaro nos céus e cada cabelo nas cabeças dos homens está contabilizado.
Contudo não posso deixar de referir o zelo pela Casa do Senhor. Quando o crente ora, ele se importa principalmente com a Casa do seu Deus e do seu Senhor. Como cruzar os braços ao assistir a uma herança sendo desperdiçada em todo o tipo de prazer, se convém lembrar que a volta de um filho pródigo depende inteiramente de se submeter às imutáveis leis da casa do Senhor, nosso Deus e Pai de amor?

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

O Pensamento Tecnológico Carismático

São muitas as falácias doutrinárias dos carismáticos, as quais eu entendi por certas por dar crédito à prióri às celebridades do universo evangélico indicadas por meus irmãos e líderes espírituais que encontrei após a minha conversão a Cristo Jesus. Estes auto-denominados "carismáticos" são os que pretendem reinvidicar poderes sobrenaturais dispensados para sua gestão a bel-prazer. Estes pretensos dons, ou carismas, são no fundo a cortina de fumo do que realmente os separa da verdadeira fé cristã e são o fruto natural de suas mentes carnais e arminianas.
Gostaria de deixar escrito e bem claro que não me tenho por medida da verdade, mas que em dez anos do meu percurso fui crescendo na graça e no conhecimento do meu Senhor Jesus Cristo, o amado de minha alma. Sei como qualquer ímpio o que é ser anticristo e pensar que sou amigo do bem e como é preciso que a graça de Deus nos alcance e como é impossível que ea seja alcançada por nossas mentes limitadas e pecaminosas; sei bem como qualquer falso convertido o que é pensar que sou crente em Deus e não ter estima pela Palavra Santa do Senhor e não a entender em absoluto e como é necessário que Deus nos ilumine de forma tal que nunca venhamos a dizer "foi pela força de meu braço"; sei o que é ser crente e estar debaixo da autoridade humana errada por esta não ser obediente ao Deus da Escrituras mas sim aos seus pensamentos e anseios e como ainda assim experimentar o Senhorio sobremodo maior sobre nossas vidas e nos guiar por um caminho estreito e não permitir que meu pé resvalasse para as veredas largas e espaçosas que o inimigo sugeria em minha vida; sei o que é falar para muros caiados de branco mais surdos que uma parede e nunca ser percebido e nunca ser aceite mesmo que eu só quisesse que não aceitassem mais do que o que a voz de Deus na Escritura claramente indicava.
Tal como a sociedade do século 20, uma parte substancial da igreja cristã tornou-se tecnologicamente espirituosa e artificial. Não estou a falar das igrejas rudimentares e simples que se mantêm focadas no essencial e no importante da Palavra de Deus. Falo de igrejas onde os seus participantes têm um anseio estranho por novidades e surpresas imprevistas, como as crianças que cheias de brinquedos electrónicos rapidamente anseiam novos e mais caros a cada instante, enquanto seus pais ainda lembram o único brinquedo que os acompanhou em suas infâncias. Não almejam assim pela Palavra de Deus que como meninos deveriam querer, mas por comichão, por insatisfação com Cristo somente, por algo mais que parece lhes faltar...
Este artificialismo do fogo pirotécnico em seus cultos, este sempre ansiar por novos cd's, livros, pregadores, visões, arrepios, suores, euforias equiparam-se ao problema social das sociedades mundanas e nocturnas, gentios que buscam as mesmas coisas... "não será assim convosco" posso ouvir as palavras do meu Mestre. Este buscar em seus próprios corpos por prazeres sensuais, que negam a rigidez e a luta árdua e dificil do verdadeiro cristianismo. Outros, para despertarem "rushes" mais rápidos usam alucinogénicos como os rastas ou os ismaelitas com seus cachimbos.
Mas o que me indigna é o que fazem com Deus pois este Deus dos carismáticos é um simples mecanismo que se consegue manobrar com os "imputs" certos. Não estou a ser maldoso. Um pastor em 1998 explicou-me que a fé era algo como um interruptor que nós tínhamos o poder de o ligar ou desligar as bênçãos do céu. Isto é uma fé tecnológica e uma bênção electrónica!! Que soberania sobra a Deus assim? Este Deus dos carismáticos é um ídolo, um bezerro de ouro feito por mãos humanas, uma aberração.
A tecnologia está refazendo devagar a expressão verdadeira de Deus. Estas mentes não regeneradas estão à escala da esmagadora maioria no presente contra as excepções minoritárias do passado da igreja cristã. Igrejas que hoje batem no peito devido à bonança financeira ou expansão de seus associados. Enquanto antigamente surgiam no meio da igreja aberrações, hoje no meio das aberrações existem os fiéis.
Nestes tempos do celular, do digital, do poder da mão do homem eu mantenho a confiança que Satanás não irá prevalecer contra a igreja do Senhor e que Jesus voltará e achará fé na terra!

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Jesus Cristo, Salva o seu povo dos seus pecados!

Por vezes apetece-me fugir desta terra estranha e ir para a minha Pátria celestial, uma terra onde existe o leite e mel da Palavra de Deus. Pedro exortava para buscar o leite genuíno da Palavra de Deus para que por ele possamos crescer, mas também não deixou de avisar que era igualmente importante evitar o produto falsificado - aquele produzido por mãos e idealizado por mentes humanas.

Hoje, ao pertencer a uma igreja que está fundamentada na Palavra, não tenho ilusões que não é ela o fundamento, mas sim a Palavra. Creio que muitos não entendem esta afeição que fazia Jónatas se reclinar sobre David, nem igualmente João sobre Jesus Cristo. Este apego meigo à Palavra de Deus, à Sua unção, ao seu Espírito. Que bom poder ter a honra de servir a uma igreja que quer se reclinar sobre o Mestre.

Quanto ao que em meu percurso encontrei, só posso entender como mão de Deus para que eu seja fortalecido com o fim último de edificar a Sua igreja. Ao fazer um percurso pelas ruas da cidade e estranhar uma sequência de sinais verdes, de condutores gentis, pude perceber que tristeza seria tudo correr sem contrariadades num mundo que a Escritura diz que jaz no maligno.

Este maligno tem enganado a igreja como Paulo escreveu dizendo temer. Este maligno a tem enganado mostrando que todos podem ser salvos, que ela deveria dizer mais ou menos o que a Escritura diz (tal como foi com Eva...), que a carta dos direitos humanos acerca da igualdade tem de ser respeitada e não uma Escritura Divina que fala de uma geração eleita, e de um povo escolhido. A igreja então se tem tornado cada vez menos escândalosa para os judeus e menos louca para os gentios. A igreja tem-se diluído em direcções opostas: uma para o racionalismo e liberalismo e outra para o misticismo e legalismo.

Quanto à minha esperança, está segura. Deus fará o que quiser. Isto não quer dizer que se evite lutar pela verdade, pois então seria negar os meios que o mesmo Deus dos fins, preparou.
À Lei e ao Testemunho, é o grito desesperado de quem vê um só Nome que merece toda a honra e toda a glória!

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

IGREJA HÍBRIDA

Quando me converti em 1997, procurei conselhos de um primo que era Pastor aposentado da Igreja do Nazareno que eu bem conhecia sua integridade e testemunho precioso.

Ele disse-me que procurasse uma igreja que pregasse o Evangelho em toda a sua largura, comprimento e profundidade, mas que também vivesse o que pregava.

Na altura senti-me perdido, mas tem sido uma ajuda preciosa em encruzilhadas meditar nessas palavras.

A Igreja Evangélica actualmente está doente e carente de arrependimento. É uma igreja híbrida, com muita mistura de verdade e de erro, de graça e de negócio, de crentes genuínos e de pretensos crentes... O inferno está abrindo sua boca para tragar tantas almas enganadas em fileiras de bancos de igrejas animadas, aparentemente crentes no Senhor Jesus (João 2:23) mas aos quais Jesus não se confia (João 2:24).

Arrependimento do pecado de não crerem na Palavra de Deus, mas antes de a manipularem a seu bel-prazer. Pecado maior do que crer num deus imaginário ou seja num ídolo é pregar o erro - e que juizo muito maior receberá aquele que prega e conduz os outros ao erro e perdição eterna.

Se sem arrependimento ninguém se pode apropriar de Cristo, se sem santidade ninguém verá a Deus, porquê ser condescendentes e tolerantes com doutrinas e práticas estranhas à Escritura? Se algum amor temos por essas pessoas, então o indicado será avisá-las do perigo, mesmo que sejamos desprezados e vexados por isso.

"Um espírito indiferente entre a verdade e o erro, bem e mal, pode ser chamado caridoso e manso, mas não é agradável a Cristo. Nosso Salvador subjuga esta amável recomendação ao seu severo aviso ameaçador, para tornar o conselho mais eficaz" (Mathew Henry).

Pode ser que hoje o cristão não seja mais ensinado a viver para Cristo e sim o ensinem que Cristo vive para ele, ensinam como se fosse vindo de Deus que o cristão se deve tornar um íman de riquezas quando Cristo ensina a não colocarmos o nosso coração nelas ou que é mais fácil passar um camelo no buraco de uma agulha do que um rico no Reino dos céus.
É bom que não seja tido por consensual o entender por parte de alguns miúpes que precisam de lavar seus olhos com colírio (Apocalipse 3:18), que tratam de apresentar o Senhor Deus Soberano da terra e dos céus como que de um autómato se trate. Para estes, que queira Deus já não se encontrem desqualificados, Deus é um reagente e não um Regente...

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

IMAGINE

"Imagine quatro homens que se trancaram num armazém abandonado, após roubarem a chave do proprietário. Compraram toda a bebida que precisavam para uma noite de jogo. Uma luz rústica paira sobre a mesa de jogo. Profanidade e álcool correm livremente. Então, pela madrugada, ouve-se um grito vindo de fora: "O armazém está a pegar fogo!" Olhares inquietos são trocados. Mas o idealizador daquela noite ameniza todo o pânico, dizendo: "Não se preocupem, temos a porta. Sairemos apenas se for necessário". O jogo continua. Logo de seguida, ouve-se novamente um grito vindo de fora: "A porta está trancada!" De novo, a inquietação, à qual o líder responde: "Calma, rapazes; eu tenho a chave", mostrando-a arrogantemente. Pela terceira vez, ouve-se um grito: "Aquela chave roubada está com defeito; não funciona do interior!"
Apressadamente, eles viram a mesa, derramando a bebida no chão. Correm para a porta. Agitados, introduzem a chave na fechadura e percebem que ela não funciona, assim como a voz dissera. Forçam a maçaneta até quebrá-la em suas mãos. Enquanto blasfemam e berram, chutam a densa porta, sem resultado. Estão condenados.
Para que os homens se libertassem, a pessoa do lado de fora deveria passar-lhes a chave correcta por baixo da porta, para usarem-na. Assim, o único que poderia salvá-los era o proprietário, vitima do roubo. Ele tinha sido alvo de muitos escárnios durante a noite. Aquele que os ladrões csideravam seu inimigo era a única salvação deles.
(...) A chave da fé abre a porta, assim como a vela do barco pega o vento; todavia, é um assunto que pertence a Deus, mais do que você e eu podemos imaginar. Devemos perguntar a nós mesmos: "Deus me tornou seu filho? Estou vivo?" Não é suficiente perguntar:"tive alguma experiência que chamo fé?" A fé que temos é inútil, a menos que Deus esteja salvando. Somente Deus salva, mas Ele salva pela fé."
Jim Elliff, no livro "Fé Inútil", pags. 6 e 7.

sábado, 17 de novembro de 2007

Rir é a Melhor Comédia

"cada um considere os outros superiores a si mesmo" Filipenses 2:3
O meu carro avariou-se e chamei um amigo meu que é meu mecânico para vir ver o que se passava. Quando chegou, trazia um amigo dele que era um brasileiro muito simpático e sorridente. Tentámos os cabos para ligação à bateria do carro dele e nada.
Acontece entretanto que enquanto o meu mecânico tentava ver algum sinal de "vida" no carro, esse rapaz brasileiro viu os meus cd's de hinos clássicos e perguntou:
- Você é evangélico?
- Sou. - respondi.
- Eu também. - dizia ele com um rasgado sorriso de orelha a orelha. - Mas estou desviado. Eu era da Assembleia, e você? continuava ainda com descomprometimento.
- Eu sou Presbiteriano. - afirmei já meio triste com a sua condição, mas mostrando meu apreço.
-Ahh, é mesmo... Presbiteriano Renovado? - interrogou cheio de expectativa.
- Não. Sou Presbiteriano mesmo - disse eu.
- Ah é? Tradicional? Ahhh... - e esfumou-se seu entusiasmo tão depressa como tinha aparecido.
Então pus-me a pensar, enquanto ouvia seu percurso e o convidava a regressar à comunhão com os irmãos, que seria meu estado aos seus olhos pior do que o seu... Alguém o teria ensinado a ver as coisas e os irmãos entre estes 3 níveis: Crentes Pentecostais, Desviados e os Tradicionais no fundo da linha...
He He He, não pude deixar de rir com esta incongruência e de pensar em quantos irmãos que infelizmente têm o mesmo dogma ou fortaleza ou potestade em suas mentes. Enquanto a Palavra de Deus nos diz para considerarmos os outros superiores a nós mesmos, e deve ser por essa Palavra praticada por muitos dos tradicionais que humanamente falando ficam por baixo, como fracos, como indignos... mas na verdade nessa fraqueza o poder de Deus nos aperfeiçoa.
Será que não conseguem distinguir entre tradição na doutrina e tradição de artifícios e hábitos humanos? Talvez não.
Então, não menos a propósito o carro lá pegou a empurrão...

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

ILITERACIA BÍBLICA

"Nada sabem, nem entendem; porque tapou os olhos para que não vejam, e os seus corações para que não entendam." Isaías 44:18

Antes fossem analfabetos, pois teriam desculpa. Isto digo daqueles que afirmando seu cristianismo aos quatro ventos, não entendem a mensagem da cruz do Senhor Jesus Cristo. O antigo evangelho está deixando os púlpitos das igrejas e em muitas das novas igrejas e congregações nunca sequer pisou em palco.
Antes fossem cegos, pois teriam desculpa. Se teimosamente resistem à exposição das Escrituras, tapando os ouvidos e rangendo os dentes à verdade, que esperança pode haver? Ficam entregues às suas muitas vaidades, elogiando-se uns aos outros e tendo por referência os mesmos padrões do mundo e nunca a piedade e o arrependimento genuíno ao Senhor Jesus Cristo.
O Espírito Santo guia os santos a toda a verdade. Quem peca contra o Espírito, resistindo à sua correcção e rebelando-se a se humilharem debaixo da omnipotente mão de Deus, fica sem desculpa e até mesmo sem perdão.
O que se passa hoje de tão errado com os evangélicos? É que entendem tudo errado. Não compreendem as passagens mais simples da Escritura. Textos como "Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo" deixaram de ser exaltados e famosos no meio do povo de Deus, não por má vontade mas por incompreensão digna de incircuncisos de coração. Como poderão crer se não foram realmente transformados em seus corações?
Leem textos como "eu posso todas as coisas" e pensam num carro novo, esquecendo a fome e a nudez devido ao testemunho fiel a Cristo.
A cruz do Senhor Jesus Cristo, é um lugar onde os meus pecados foram escritos com o precioso sangue do Cordeiro de Deus. Qualquer um que assume que pertence a Cristo, tem de compreender que está declarando a sua culpa pela morte expiatória de Cristo. Cristo não morreu por anónimos, nem por todos os homens que existem e existiram. Essa é a heresia da Expiação Universal, que é retratada pelos da seita romana como um cristo impotentemente preso à cruz. A diferença entre um Cristo e outro, é a diferença entre um evangelho e outro. Cristo morreu pelo seu povo Eleito e Escolhido, uma raça e uma nação que Pedro tão bem explica.
Ó glória da graça de Deus!!! Não fui eu salvo naquele dia bendito em que o Senhor pronunciou "está consumado" e onde a fé emanou dessa cruz para o meu coração? Assim, posso eu olhar sem névoas "para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz" e bradar: onde está ó morte o teu aguilhão?
Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. Colossenses 2:14
Ó tu que amas e cometes pecado: fica sabendo que tal palavra não é para ti. Não penses que és tu que estás a desprezar a Deus, pois sem te aperceberes, foi Deus quem te desprezou a ti. A todos Deus ordena que se arrependam e quem amar os deleites do pecado não receberá misericórdia! O pecado continua a ser para o ofensor de Deus a razão da sua condenação eterna.
Quantos pregam hoje que Deus já perdoou os pecados de todo o mundo e que somente agora têm os homens de ter uma fé de boa vontade para com Deus? Pois Deus tragará uns e outros se assim quiser, pois a cruz não tem valor para eles...

terça-feira, 13 de novembro de 2007

O Pecado de Ser Cristão Tradicional

"perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas" Jeremias 6:16

Nestes tempos da pós-modernidade, tempos que entraram no tempo da igreja do tempo presente, um irmão olha para outro irmão... de alto para baixo. Perguntas como "és renovado?" ou "estás na visão?" tornaram-se mais importantes do que a simplicidade de Cristo numa vida pia de arrependimento, humildade, oração, meditação profunda na Palavra de Deus e santidade com fruto perfeito do Espírito Santo.
Perguntas que deveriam ser orações pelos irmãos pois o amor não suspeita mal. E questionar a fé de um crente com um motivo único de justificar a si mesmo tal qual o fermento que tem operado em todo o fariseu que busca se gloriar nas suas obras vãs.
Temo por algo mais grave, que quando alguém teme as veredas antigas e quer andar em novidades (não em novidade de vida), está a evitar o silêncio de seu quarto onde o Deus Eterno observa atento e nos dá a bênção em secreto relacionamento.
E atrevo-me a considerar que tal como foi feito com Estevão, muitos rangendo os dentes procuram matar a voz de Deus nos corações dos seus amados e cheios de medo de se encontrarem frente a frente com o Deus que instituiu a igreja que muitos loucos procuram evitar a instituição do modelo de adoração e de culto indicado pelo mesmo Deus que dizem seguir.
Não fora a misericórdia e todos seríamos consumidos, mas ai dos que tocam na menina dos olhos de Deus. A Bíblia já nos deu muitos e variados exemplos de como se acende a ira do Soberano Senhor Deus contra os que tentam alterar os seus estatutos e as suas determinações para a Sua Casa.

Mesmo que muitos pensem que é um pecado ser tradicional, porque o mundo já não é o que era eu me regozijo a cada dia mais ao descobrir na simplicidade e na obediência ao Senhor do culto que é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

Amigo, se julgas que Deus vai entrar pela congregação a dentro pela frenética música e pelos prazeres sensuais do som, da dança, do ritmo, da alegria em se alegrar... estás enganado! Deus busca em toda a terra corações que o adorem em Espírito e em Verdade. A Palavra de Deus é o nosso gozo, no arrependimento e no coração contrito está o verdadeiro regozijo.
Quero anunciar ao mundo a alegria de poder crescer no conhecimento do Senhor Jesus Cristo como não encontro paralelo no passado, pois "os que de ti procederem edificarão as antigas ruínas; e levantarás os fundamentos de geração em geração; e chamar-te-ão reparador das roturas, e restaurador de veredas para morar." Isaías 58:12

domingo, 11 de novembro de 2007

PALAVRA INTEMPORAL

"Para sempre, ó SENHOR, a tua palavra permanece no céu." Salmos 119:89

Na altura em que comecei a ler minha Bíblia, que fora-me oferecida meses antes por minha mãe, encontrei meu primeiro grande mistério resolvido: eu era um erro. Quando pude entender que em mim não havia nada que pudesse ser realmente louvável, entrei num desespero e num desânimo que não consigo exprimir ainda hoje. Fiquei realmente com a minha boca sem fala e meu coração condenado diante da verdade, justiça e santidade da Palavra de Deus.
Diante dessa grande premissa que se tornou um fundamento em minha vida desde então, a de que eu não era o que até ali pensava ser e que não passava de mera vaidade todo o meu viver, ficava a indagar como poderia trilhar um caminho plano com Deus e como poderia conferir continuamente em que caminho eu estava enquanto durasse minha peregrinação?
Uma questão estava respondida e aquecia meu coração: a Palavra de Deus era provada e confiável. Nas Escrituras eu encontrava a segurança que meu coração volátil não poderia nunca oferecer. Nas Sagradas Letras eu tinha algo que não dependia das circunstâncias, dos tempos, dos modos, das culturas, dos relativismos pessoais, nem de nenhuma das vaidades debaixo do Sol.
Então propus-me fazer sempre um exercício pessoal que recomendo a qualquer amigo: considero como seria meu carácter, minha devoção, minha vocação, minha abordagem a qualquer situação me situando em tempos diferentes e em culturas diferentes.
Com isto, imagino por exemplo se minha fé seria considerada por meus irmãos no Sudão de hoje, se seria aceite como membro de uma igreja em plena reforma protestante, se seria tido como irmão fiel na igreja primitiva, ou ainda se seria um dos que achariam o discurso do Mestre demasiado duro ou se me encontraria entre os que poderiam clamar "para quem irei Senhor? Só Tu tens as palavras da vida eterna!".

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

31 de Outubro, Dia da Reforma Protestante!!!

Apocalipse 11:9-12
"E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros. E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra. E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram. E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram."
NO dia da Reforma Protestante celebra-se o dia 31 de Outubro de 1517 no qual Martinho Lutero pregou as suas 95 teses em latim na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, contra as indulgências da Igreja de Roma.
É celebrado pois inspira coragem à Igreja fiel de Jesus Cristo e lembra o porquê de sermos evangélicos num distante século 21. Eu não vejo essa distância na sua forma temporal, pois acho que quase 500 anos é só meio dia para Deus, mas vejo uma distância muito grande quando analiso como nos desviámos dos princípios doutrinários e teológicos da Reforma Protestante.
Sabemos que o mundo odeia os filhos de Deus e sempre odiará. Sabemos que quando não odiar mais, não é porque eles se tornaram bons, mas é porque a igreja se tornou imprestável. Isto é o que está acontecendo infelizmente em nossos dias com muitas das igrejas evangélicas, tanto denominações históricas, como denominações contemporâneas.
Mas não houve também martírios nos primeiros séculos, em que os cristãos sofriam todo o tipo de injustiça? A Reforma Protestante do século 16 tem como pano de fundo algo muito semelhante com o descrito neste texto do livro do Apocalipse. Uma igreja morta, com ministros imprestáveis. Este texto do apóstolo João pode estar a referir-se a servos fieis do Deus Altíssimo. E também podemos ver que tal como no caso de Lázaro, depois de 3 dias os corpos já começam a feder e a esperança não existe mais.
Hoje podemos no meio de tanta confusão e vergonha eclesiástica, ter esperança e continuar a crer que Deus está soberanamente no controlo. O mundo entrou nas igrejas evangélicas trazendo suas filosofias e imoralidades. Hoje como no passado da Igreja do Antigo Concerto, queima-se insenso estranho a Deus. O evangelho de muitos é uma aberração e uma pálida imitação que busca agradar aos homens de quem realmente buscam glória e não o Deus da glória. O cheiro fétido às narinas de Deus do arminianismo mas suave ao mundo que ama ouvir que o Deus que eles rejeitam deu a sua vida por todos. O mundo que recebe da boca da grande prostituta uma falsa profecia que Deus Todo Poderoso está chorando impotente diante de homens soberanos em seu livre arbítrio e governadores de seus destinos. Uma igreja que vive deliciada nos prazeres deste mundo e não se dispõe a confessá-Lo com medo de perder seus direitos e regalias. Certo é o destino junto ao Eterno Deus dos que sofrem por causa do evangelho de Cristo, enquanto o sofrimento que abater-se-à sobre os ímpios serão insuportáveis.
Enquanto o mundo se regozija em exibir igrejas mortas e ministros mortos, não as enterrando nem aniquilando, Deus levantará dentro de Seu perfeito plano eterno os eleitos em Cristo Jesus desde antes da fundação do mundo, para profetizar a Sã Doutrina de forma a destruir e condenar os seus inimigos!
Alegremo-nos quando sofrermos por causa do nosso amor ao Senhor Jesus Cristo, sem esperar facilidades da parte do mundo que jaz no maligno! Jesus não morreu por todos, mas tão somente por sua Igreja.
Soli Deo Glória, Solus Christus, Sola Gratia, Sola Escritura e Sola Fide!!!

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Nenhuma Condenação Há!

"PORTANTO, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito." Romanos 8:1


Antes de mais nada devemos prestar atenção que este capítulo começa como uma continuidade e com uma conclusão ao que estava sendo explicado nos capítulos anteriores.

Não há nehuma condenação para os que são justificados pela fé no Senhor Jesus Cristo. Aqui também entendemos que os que estão em Cristo não andam mais segundo a carne, mas segundo o Espírito. Somente aqueles que nasceram do Espírito de Deus podem andar no Espírito de Deus. Essa última parte é uma redundância, um sublinhar do estar em Cristo.

Em Cristo Jesus não existem duas raças: os da carne e os do Espírito, pois podemos ler no verso 9 "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós." Isto é para os cristãos e exclusivamente para os cristãos como um todo. Os que andam na carne ainda estão em inimizade contra Deus e não se podem incluir como parte do concerto de Deus com o seu povo.

Romanos 6:22 "Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna."


Assim se o pendor do Espírito é vida e paz em contraste com o pendor da carne que dá para a morte, podemos entender que o cristão está claramente entre aqueles que recebem o pendor do Espírito abandonando gradativamente pela santificação de vida o antigo ditador pendor da carne que foi crucificado com as suas paixões e concupiscências (Gl 5:24) quando fomos transportados por Deus das trevas para a maravilhosa luz do Evangelho de Cristo Jesus (1ª Pd 2:9).

Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus! (Rm 8:1)

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Conferência Fiel 2007 - O Senhor está no barco!!


Estive pela 1ª vez na Conferência Fiel, no Acampamento Baptista de Águas de Madeiros de 22 a 25 de Outubro de 2007.

Minha impressão não poderia ser melhor acerca desta iniciativa que já vem sendo uma data de destaque na vida de todos os que têm responsabilidades e interesse para com a Igreja de Cristo. Muitos pastores recebem ali um refrigério, no meio de tantas e tantas lutas e desânimo nos mares tempestuosos de doutrinas que hoje afligem a Igreja.

Outrora também os discípulos pensavam que o mar os iria tragar, e gritavam desespero pra cá e pra lá em busca de socorro e de salvamento de suas vidas. O Senhor Jesus está hoje bem no meio de tão tumultuoso mar que agride sua Igreja. Ao som de Sua Palavra as ondas se abateram serenas, os ventos contrários perderam seu poder e as negras nuvens dissiparam-se.

Pois esta poderosa Palavra está na base deste ministério que é um oásis de boa doutrina no deserto evangélico contemporâneo. E como parte desta vontade de serviço à Igreja, buscam equipar os ministros com boa literatura, desde manuais a devocionais a preços muito comprovativos desse compromisso. Comprei um Comentário aos Romanos de John Murray por 12€, por exemplo. A Bíblia de Genebra estava a 30€. Um bom livro de John MacArthur estava a 6€.

Para o ano, se Deus assim o permitir, lá estarei...

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

A Genuína Experiência Espiritual

O título acima é de um livro de Jonathan Edwards, da editora PES, pag. 56.

"Quando uma pessoa não salva tem essa segurança (da salvação) falsa, ela está livre das coisas que causam dúvidas ao verdadeiro cristão sobre a sua própria salvação:

1. O falso cristão não tem sentimento sobre a seriedade de seu destino eterno e quanto à infinita importância de construir no fundamento certo. Em contraste, o verdadeiro crente é humilde e cuidadoso; sente quão grandioso será estar perante Deus, o infinitamente santo Juiz. A falsa segurança ignora isso.

2. Um falso cristão não está consciente de quão cego e enganoso é o seu coração. Sua falsa segurança produz nele uma grande confiança em suas próprias opiniões. O verdadeiro crente, entretanto, tem uma modesta opinião sobre a sua própria sabedoria.

3. Satanás não ataca a falsa segurança. Ele ataca a segurança do verdadeiro cristão, pois a verdadeira segurança produz maior santidade. Por outro lado, satanás é o melhor amigo da falsa segurança, pois isso coloca o falso cristão totalmente em seu poder.

4. A falsa convicção cega a pessoa quanto è verdadeira extensão da sua pecaminosidade. O falso cristão parece limpo e claro a seus prórprios olhos. O verdadeiro cristão, ao contrário, conhece o seu próprio coração; sente que é um grande pecador. Fica pensando muitas vezes se uma pessoa verdadeiramente salva poderia ser tão grande pecador quanto ele é.

Existem dois tipos de falso cristão. Há aqueles que se julgam ser cristãos meramente por sua prática exterior de moralidade e religião. Essas pessoas muitas vezes não compreendem a doutrina da justificação unicamente pela fé. Existem também aqueles cuja a segurança procede de experiências religiosas falsas.

Os falsos cristão do último tipo são os piores. Sua segurança advém muitas vezes de supostas revelações. Chamam a essas revelações de "o testemunho do Espírito". "

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Cuidado Com A Besta... na IURD!

Apóstata Edir Macedo na entrevista que ele deu à Folha de São Paulo, em 13 de outubro de 2007.

FOLHA: Em sua biografia, o Sr. defende o aborto. Atualmente, a Record e a Record News exibem campanha pelo aborto, por que?

Macedo: Sou favorável à descriminalização do aborto por muitas razões. Porém aí vão algumas das mais importantes:
1. Muitas mulheres têm perdido a vida em fundo de quintal. Se o aborto fosse legalizado, elas não correriam risco de morte.
2. O que é menos doloroso? Aborto ou ter crianças vivendo como camundongos nos lixões de nossas cidades, sem infância, sem saúde, sem escola, sem alimentação e sem qualquer perspectiva de um futuro melhor? E o que dizer das comissionadas pelos traficantes de drogas?
3. A quem interessa uma multidão de crianças sem pais, sem amor e sem ninguém?
4. O que, os que são contra o aborto, têm feito pelas crianças abandonadas?
5. Por que a resistência ao planejamento familiar?Acredito, sim, que o aborto diminuiria em muito a violência no Brasil, haja vista não haver uma política séria voltada para a criançada.

FOLHA: “Deus deu a vida e só Ele pode tirá-la”, segundo a Bíblia (sic). Não é contraditório um líder cristão defender o aborto?

Macedo: A criança não vem pela vontade de Deus. A criança gerada de um estupro seria de Deus? Não do meu Deus! Ela simplesmente é gerada pela relação sexual e nada mais além disso. Deus deu a vida ao primeiro homem e à primeira mulher. Os demais foram gerados por estes. O que a Bíblia ensina é que se alguém gerar cem filhos e viver muitos anos, até avançada idade, e se sua alma não se fartar do bem, e além disso não tiver sepultura, digo que um aborto é mais feliz (Eclesiastes 6.3). Não acredito que algo informe, seja uma vida.

FOLHA: Qual seria sua reação se descobrisse que tem um filho homossexual?

Macedo: Decepcionado. Mas não o rejeitaria de forma alguma. Tentaria ajudá-lo da melhor forma possível. Porque, se Deus respeita a livre opção de vida da criatura humana, por que não o faria eu?
------------------------------------------------------------------------------------------------
Será que os arminianos dirão: "Bem, nesse ponto da vontade livre do homem ele pode ter razão"?

Infelizmente, é preciso que se cheguem a estas evidências para que fique demonstrado a falácia da doutrina herética e apóstata do arminianismo. É verdade que alguns só têm coragem para fazer esta dedução com o evolucionismo e o genocídio dos judeus pelo ditador alemão da 2ª guerra mundial, mas isso só mostra que têm duas medidas na mesma balança... deveriam tentar entender onde conduz essa doutrina e perguntarem-se se realmente ela exalta a glória de Deus.

Este maltrapilho do Macedo não é caso único da produção arminiana, eles são uma verdadeira legião de monstros e até há alguns que saem debaixo do selo evangélico, o que não é o caso. Tudo porque, não há disciplina na Igreja e não há quem dê valor à sã doutrina nesta geração comichosa de ouvido e adúltera de coração!
(Estou falando dos lobos devoradores e não dos crentes que advogam erradamente essa doutrina).

Soli Deo Glória!
Nuno Pinheiro

sábado, 13 de outubro de 2007

Quem é Hipócrita afinal?

"Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão." Mt 7:5


Tantos falam pra lá e pra cá, todos reclamam pra si um pouco de razão, todos acham que têm razão. Mas a quem é que Jesus chama de hipócrita? Se quero me importar com a opinião de alguém, então Jesus está acima de toda a opinião e seu pensamento é que me importa!

Se não achas importante a opinião de Cristo acerca de ti, convido-te a saires deste blogue. Ele não é para ti, por isso não percas tempo aqui!

No contexto podemos perceber rapidamente que Jesus estava a falar de pessoas que se comparavam com outras pessoas. Gente que se importa em demasia com os outros, que fala dos outros, com o propósito de se justificarem a si próprios.

Aqui posso adiantar que todas essas pessoas diferentes com opiniões diferentes só podem ser unidas pela verdade se ela for sobre todas e não sectarista. Com isto quero dizer que aqueles que expõem a verdade da Bíblia não expõem a sua verdade mas a verdade incorruptível de Deus, que as coloca como os primeiros errados confessos!

O outro caminho é a hipócrisia e o seu sub-produto, o ecumenismo. Este ecumenismo em voga nestes dias, é um assumir do velho ditado "não podes vence-los, junta-te a eles" que coloca um preço em cima de um valor. E os hipócritas podem tocar suas campaínhas após a esmola ecuménica do abraço fingido à diferença que no fundo se consideram mutuamente de asquerosas.

Reparamos que Jesus não se dirige àqueles que procuram a justiça e a rectidão bíblica, pois esta implica uma coordenada vertical que o ligue a Deus. Aqui Jesus mostra homens sem consciência diante de Deus, mas somente medindo-se uns aos outros horizontalmente.

Hipócrita é quem se importa mais com a opinião do homem do que a opinião de Deus. Quanto menos importância tem a sua vida para Deus mais hipócrita ele é.

Porque digo isto? Vamos ler o que está escrito no livro de Provérbios:

"O hipócrita com a boca destrói o seu próximo, mas os justos se libertam pelo conhecimento."

Eis o hipócrita: desnudando o seu próximo de modo a chamar atenção sobre a sua própria justiça! O justo viverá pela fé, ao ter consciência diante de Deus que suas boas obras são trapos de imundície e que sua vida é miserável e necessitada da graça divina.

Como pode um hipócrita tirar a trave que tem no seu olho se ele não olha para cima e somente atenta para invejar e cobiçar o seu próximo? Assim que ele disser "que tarefa impossível ao homem, a de tirar a trave de seu próprio olho", perguntará "Quem me ajudará?"

"Quem poderá dizer: Purifiquei o meu coração, limpo estou de meu pecado?" Pv 20:9

Quem é hipócrita, quem é? Eu sou um deles e por isso não posso negar minha necessidade de um Salvador e Redentor que só encontro na pessoa bendita do Senhor Jesus Cristo!

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Não sou cientista, mas Darwin também não!

A primeira coisa que alguém diz quando confrontado com umas poucas perguntas lógicas acerca da Teoria da Evolução, é dizer "eu não sou cientista, mas de certeza que essas questões têm uma explicação óbvia de um expert, ou não seriam ensinadas essas matérias nas escolas públicas."

1º) Essa "ciência" ensinada nas escolas não surgiu quando o homem teve acesso a conhecimentos evoluídos do cosmos (quer macro, quer micro), mas quando este andava de barco à vela observando a olho nú algo que seria possível a Platão, Sócrates ou Aristóteles.

2º) Essa "ciência" não foi feita por Newton, Galileu, Copérnico nem outro homem que tenha dado contributos realmente científicos para a humanidade. Ela foi fabricada, como toda a seita religiosa, por um teólogo enfadado por seu canudo só o confinar a uma vida de labores árduos e sem descanso nem glória. Por isso, saiu sozinho para uma ilha deserta e começou a casar os 2 livros que levava debaixo do braço: a Bíblia Sagrada e um livrete do autor da Coluna Geológica (confuso? É verdade que ele não foi nada original...).

3º) A maioria dos pais dos principais ramos da ciência são cristãos. Não vou enumerar a lista aqui pois é demasiado extensa. Faça você mesmo uma busca na Wikipédia.

4º) Existe uma grande diferênça entre ciência, que respeita o método científico, e filosofia. Temos de considerar o contexto histórico destas ideias pós-Voltaire e iluministas. Esta vontade de separar a fé da razão, vem de trás. Como podemos constatar o iluminismo infiltra-se em todo o ramo científico e filosófico e até religioso (como Darwin, um recém licenciado em Teologia é um bom exemplo disso).

5º) Os fósseis receberam as datas de suas idades milenares bem antes de haverem instrumentos 100% fiáveis e confiáveis e científicos para o fazer e cumprir o método científico. E hoje continuam a ser muito imprecisos ao contrário do que muitos apregoam. C14 e outros métodos de datação, estão ainda em cima da mesa nas discussões científicas (seus inventores não, pois já receberam apressadamente seu prémio...)

6º) As escolas ensinavam com base em ensinos de origem evolucionista que as raças tinham diferentes estágios de evolução conduzindo a genocídios como o caso do Cambodja e outros palcos de ensaio dos marxistas-darwinistas. Se acha uma interpretação exagerada consulte a famosa obra histórica de H. G. Wells, e consulte a parte da origem da humanidade e sua actualidade para o autor...
Hoje, as escolas seguem uma agenda convergente com toda a escolha humanista que expurga toda a espécie de referência cristã. Se fossem imparciais, certamente falariam de Voltaire a par e par com Jonathan Edwards (considerado o maior pensador e filósofo americano de todos os tempos - cristão reformado).

7º) Para não me alargar muito em intermináveis pontos que poderia enumerar, peço que veja e ouça bem o próximo documentário sobre a natureza na sua tv. Irá notar que estranhamente, esta natureza é uma entidade com muito bom gosto e inteligência, lembrando as fábulas gregas antigas em que a "mãe-terra" abençoava com suas maravilhas. Ouça o narrador exaltando a capacidade que a natureza teve ao desenhar tão esplendidamente uma pena do rabo de um pavão. Anote quantas vezes ouve expressões nada científicas como "cremos que", "talvez", "imagine" e use a sua capacidade crítica que Deus lhe deu para considerar se esta oferta passa como sólida e inerrante!

Nuno Pinheiro

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Maná Internacional, SA

"mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos" 2 Tm 4:3

Esta instituição cresceu e proliferou suas capelas por todo o mundo e isto é a única reinvidicação que seu profeta pode fazer para provar que tem estado a proceder em conformidade com a Escritura Sagrada... no entanto não é por aí.

Num período em que as heresias já não têm um só nome, nem uma só origem, nem sequer são tema de preocupação religiosa pois impera o ecumenismo, quem passará estes movimentos pelo crivo da Palavra de Deus? Até que é isto de passar pelo crivo da Palavra dizem alguns? É a única forma de alguém poder afirmar suas pretenções de cristianismo.

Porque se puseram um nome a esta instituição "Igreja Cristã" eu e qualquer outro cristão temos o direito de questionar essa fé à luz do único livro que pode definir para ambos os lados o que é isso de cristianismo. Não teria problemas se o Sr. Tadeu pusesse outra designação, tal como "Centro Tadeísta" e não metesse Cristo ao barulho.

Um negócio deve ser reconhecido quando temos uma troca em que ambas as partes procuram um benefício do outro. O Sr. Tadeu oferece um pacote bem ambicioso e os seus fiéis oferecem o recurso para que a máquina funcione: dinheiro! O conceito de vender o Mestre não é novo - Judas é o seu padroeiro principal!

O Sr. Jorge Tadeu é o Robin Hood à portuguesa, mas até é mais "justo": quanto a quem rouba não faz acepção de pessoas! As pessoas ainda desculpam o "vigário" apontando para as suas esmolas. Até Fátima Felgueiras como política tem maior pudor.

A "igreja" Maná e seus burlões de indulgências modernas têm livre conduto sobre todos os seus desígnios e não respondem a nenhuma autoridade por isso?
Creio firmemente que o Jesus que um mercenário prega não é o verdadeiro Cristo. O verdadeiro Cristo ensinou a não ajuntar tesouros na terra, ou camuflamos esta verdade também? "Conquanto Cristo seja pregado" não se aplica a quem prega um falso Cristo, pois esse deve ser amaldiçoado por quem de responsabilidade - a Igreja! Como Simão o mago procurou lucrar com o Espírito Santo, assim o mesmo grave pecado está sobre aqueles que lucram com o nome de Cristo. "Mas Pedro disse-lhe (a Simão): Vá tua prata contigo à perdição, pois cuidaste adquirir com dinheiro o dom de Deus. " Actos 8:20

El Jorge Tadeu "Hood", nunca pregou o arrependimento genuíno, os conceitos bíblicos da fé, nem as doutrinas bíblicas de eleição e monergísticas quanto mais acerca dos sofrimentos do cristão ou qualquer doutrina pertinente aos santos. Antes prega um evangelho "Cofidis" (com todo o respeito pela instituição regulada pelas leis desta nação), a vida da estrada ampla, larga, fácil e rápida de acesso ao sucesso e por fim ao "céu" (quais as garantias? As dele?).

As suas declarações são as piores blasfémias e as suas promessas são um mau cheiro! Seus livros são um lixo e sua teologia são ideias importadas em franchaising do movimento da fé nos EUA (Tulsa). Suas doutrinas são a mais genuína definição de apóstasia que eu conheço e a própria prova de que o homem natural não entende o que é do Espírito. Suas actuações são tristes espectáculos místicos e fantasiosos de um mago de 3ª escolha. Sua oratória, deplorável. Sua condição é igual a uma prostituição abominável!

O Deus que eles pregam ser o Deus de toda a prata e todo o ouro, é muito mais do que isso! É o Deus da santidade e da justiça. O Deus da cura também reina sobre a doença! O Deus da abundância também é Soberano na pobreza!

Paulo escreveu aos Filipenses que "tudo posso naquele que me fortalece... Sei passar falta... em passar fome... em padecer necessidade... na minha aflição." Será que podemos ver semelhança entre o que Paulo pregava e o que o Sr. Tadeu grita? O "eu posso tudo" do falso apóstolo é um "posso tudo" que todos podem. Com a riqueza, com a saúde, com a bênção natural e aparente todos podem. Com as privações de um justo como Job, somente os santos capacitados graciosamente pelo Espírito Santo.

O galardão dele é ouro e prata...


"sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais" 1 Pedro 1:18

sábado, 6 de outubro de 2007

Reavivamento, Avivalismos e Reforma

A Escritura afirma lá em Óseias "O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; e, visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos."

É comum ser citada a primeira frase do verso, "o povo perece por falta de conhecimento" e por aí mesmo, isto é, por falta de conhecimento de qual conhecimento a Palavra refere, o entendimento míngua.

A Igreja é um corpo vivo, um santuário de pedras vivas onde o próprio Deus Todo-Poderoso habita por seu Espírito Santo. Deus é quem dá vida a esse corpo e quem o faz crescer. Nesse processo Deus usa de meios muito específicos e restritivos até. O recurso inesgotável da Palavra pelo Espírito de Deus é a fonte do conhecimento retratado em Óseias.

Então o que significa esses clamores por uma paixão contagiante que conduza a Igreja aos pés da cruz do Senhor? Onde esses clamores se distorcem em paixões sensuais e desagradáveis ao Espírito Santo? Como essas palavras têm sido mal interpretadas e mal dirigidas por aparentes movimentos piedosos?

Antes olhemos o que está escrito em provérbios muito semelhante ao verso dó profeta Óseias: "Não havendo profecia, o povo perece; porém o que guarda a lei, esse é bem-aventurado." Provérbios 29:18

No fundo o que deveríamos buscar era a bem-aventurança que o Senhor Jesus ensinou a focar. Se como fica claro nestes dois trechos da Escritura, o guardar no coração a Palavra de Deus e não rejeitar ou esquecer jamais a Lei, podemos claramente começar a ver a necessidade que os próprios reformadores viram na Idade Média - o povo precisava aprender a Palavra de Deus à frente de qualquer outra medida!

Quando essa reforma no coração se estabelece pelo mover do Espírito de Deus, por meio da Escritura, então precisamos de manter a chama acesa pela lembrança contínua dessa mesma Palavra de Deus.

A Reforma é o caminho árduo a percorrer. Pensamos na reforma como um movimento ocorrido à muito tempo atrás e deixamos que a ilusão de que o trabalho já está feito nos deixe esmorecer e adormecer.

A Reforma foi uma grande limpeza feita por homens comprometidos e determinados em glorificar a Deus. Tal como todo o serviço de limpezas o trabalho nunca fica acabado, mas antes é preciso preservar o que foi conseguido com grande esforço.

Para usar uma ilustração bem mais bíblica, lembro-me do jardineiro e de sua operação diária com um jardim. Depois de um grande esforço de transformação de um antro de imundície em um lugar aprazível, seu trabalho é necessário para que o processo de decadência não torne seus esforços inglórios.

As igrejas que se querem colocar no presente com Deus olhando para o futuro e rejeitando o passado, fazem a maior das tolices à face da terra. A própria Escritura foi-nos dada para nos obrigar a olhar para trás, "considerai as veredas antigas", e aprender com a história sagrada de Deus!

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Entender o Verdadeiro Pentecostes

O Pentecoste foi o derramamento do Espírito Santo sobre a igreja, que marcou o fim da velha dispensação e o começo da nova. Pois, de acordo com João 7:39, o Espírito Santo, como o Espírito do Cristo assunto ao céu e glorificado, não existia no Antigo Testamento. (Veja também Atos 2:33). A nova dispensação difere da velha em aspectos significantes por causa da presença do Espírito na igreja.

Na velha, a igreja estava limitada aos judeus; na nova, a igreja é reunida de todas as nações da terra. (Por conseguinte, o sinal de falar em línguas).

Na velha, os crentes eram totalmente dependentes dos profetas, sacerdotes e reis para conhecer a vontade de Deus; na nova, os crentes têm o Espírito e não têm “necessidade de que alguém os ensine” (1 João 2:27; Hb. 8:10 ,11).

Na velha, a revelação de Deus era limitada a tipos e sombras, que capacitava os santos a conhecer somente em parte; na nova, os crentes são guiados, através do Espírito, a toda verdade (veja João 14, 15, 16) e são capazes de entender as
coisas que não entendiam antes. Os apóstolos que, mesmo no Monte das Oliveiras no momento em que Jesus subia ao céu, ainda estavam esperando um reino terreno (Atos 1:6), um entendimento equivocado baseado na falha deles em entender a obra de Cristo sobre a cruz, subitamente, após o Espírito ser derramado, entenderam tudo isso claramente; e Pedro foi capaz de pregar um sermão extraordinariamente inteligente, no qual apresentou o pleno significado da salvação consumada e perfeita de Cristo em sua cruz, ressurreição, ascensão e no seu derramar do Espírito.


O Pentecoste foi um evento de uma vez por todas. Os pentecostais e reavivalistas, que falam de Pentecostes repetidos em derramamentos especiais do Espírito, pecam grandemente em negar o significado e significância desse glorioso evento de quase 2.000 anos atrás.

O Pentecostalismo, por ser encontrado na maioria das denominações, pode muito bem ser um fator unificador num falso ecumenismo que eventualmente unirá a igreja no serviço da besta.

Extraído de http://www.monergismo.com/textos/pentecostalismo/rua-azusa-pentecostalismo_herman-hanko.pdf

(Quero acrescentar que a minha experiência de um passado de 10 anos em meio neo-pentecostal da prosperidade, deixam-me temeroso de ver gente sincera percorrendo o largo e espaçoso caminho que conduz à perdição, que por cobardia não confrontam nem denunciam heresia, ignorância, charlatanice, idolatria, chulice, estupidez, blasfémias de toda a ordem e outros pecados cometidos por negligentes, inqualificados, preguiçosos e falsos mestres. Quando ouço alguém justificando "quantos mesmo assim Deus salvou", eu penso: "quantos mais escandalizou?" Quando considero empresas como a Maná Internacional e a IURD, SA não posso dar graças a Deus e louvor sincero por seus templos estarem abarrotados com uns míseros milhares em comparação com os milhões que se esfriam e se afastam de todas as igrejas como se tudo fosse o mesmo. É triste pensar que por nosso silêncio comprometido perdemos a qualificação de sermos arautos da justiça de Deus para uma nação que perece. Meu compromisso não é com homens...

Às vezes parece-me que por 30 moedas de prata ainda há quem venda, troque, diminua, reduza, esconda, anule ou abafe a Autoridade da Palavra Escrita do Deus Vivo e Eterno... O problema não é estarmos errados, pois essa é a condição em que Cristo nos encontrou um dia, mas é teimosamente desconsiderar verificar pela Palavra de Deus se estamos realmente assentes em Cristo:

"para que vos lembreis das palavras que dantes foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do Senhor e Salvador, dado mediante os vossos apóstolos" 2ª Pedro 3:2

Eu oro para Deus ter misericórdia e te abra os olhos e desentupa os ouvidos da doutrina de Satanás que ensina o homem a se elevar em vez de se humilhar como ensinou João Batista, homem cheio do Espírito Santo, que vivia o diminuir de si próprio e a elevação e glória de Deus!)

Nuno Pinheiro

A Minha Graça te Basta - por Charles Spurgeon

“A minha graça te basta” (2Coríntios 12:9)

Se nenhum dos santos de Deus fosse humilhado e sujeito às provações, não conheceríamos tão bem nem metade das consolações da graça divina. Quando encontramos um andarilho que não tem onde reclinar a cabeça, mas que pode dizer: "mesmo assim confiarei", ou quando vemos um pobre necessitado de pão e água que ainda se gloria em Jesus; quando vemos uma viúva enlutada assolada por aflições e ainda tendo fé em Cristo, oh! que honra isto reflete no evangelho.

A graça de Deus é exemplificada e engrandecida na pobreza e nas provações dos crentes. Os santos resistem a todo desalento, crendo que todas as coisas cooperam para o seu bem, e que, entre todas as coisas aparentemente ruins afinal florescerá uma verdadeira bênção - que, ou seu Deus operará um rápido livramento, ou, com toda certeza, os sustentará na provação, enquanto assim Lhe aprouver. Esta paciência dos santos prova o poder da graça divina. Há um farol em alto mar: a noite está calma - não posso dizer se sua estrutura é sólida ou não; a tempestade precisa desabar sobre ele, e só assim saberei se continuará em pé. Assim é com a obra do Espírito Santo: se ela não fosse cercada por águas tempestuosas em muitas ocasiões, não saberíamos que é forte e verdadeira; se os ventos não soprassem sobre ela, não saberíamos o quanto é firme e segura.

As obras-primas de Deus são aqueles homens que permanecem firmes, inabaláveis, em meio às dificuldades:
"Calmo em meio ao choro transtornado Confiante na vitória."

Aquele quer quer glorificar seu Deus deve ter em conta o enfrentar muitas provações. Nenhum homem pode ser reconhecido diante do Senhor a menos que suas lutas sejam muitas. Se, então, o teu for um caminho atribulado, regozija-te nele, pois mostrarás o teu melhor diante da toda-suficiente graça de Deus. Quanto a Ele falhar contigo, jamais penses nisto - odeia este pensamento. O Deus que foi suficiente até agora, o será até o fim.

Fonte: Morning and Evening (Devocional vespertina do dia 04 de Março)
Tradução: Mariza Regina Souza
http://www.monergismo.com/

Fico a pensar com os meus botões, "quantos daqueles que hoje declaram ser cristãos, se identificam com esta meditação?" Hoje, existe um problema de buraco de Ozono nas igrejas que filtrem os raios nocívos e inflamáveis do diabo, o inimigo de nossas almas!

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

Jonathan Edwards - Uma Vida de Peso...

"O peso da mão dele é maior do que o meu gemido." Job 23:2 b


“Eu tive muita preocupação a respeito de minha alma, desde a infância, mas passei duas épocas de vivificação antes da experiência de ser transformado, a qual me trouxe nova disposição e entendimento das coisas espirituais. A primeira vez foi na meninice, antes de entrar para a Universidade. Aconteceu durante um Avivamento poderoso na igreja de meu pai. Naquele tempo preocupavam-me constantemente as coisas religiosas e a salvação de minha alma. Era ativo no serviço do Reino; orava secretamente cinco vezes por dia. Eu e colegas de escola contruímos um abrigo numa floresta como esconderijo para oração. Além disso, eu tinha outros lugares para intercessão escondidos no bosque, aonde ia sozinho e ficava quebrantado em súplicas diante de Deus”.

Apesar do lar exemplar de Jonathan – era filho dum ministro – e apesar de suas muitas preocupações espirituais, ele somente foi convertido na mocidade. Formou-se na Universidade aos dezesseis anos, ficando depois mais dois anos em preparo para o ministério. Durante o tempo na Universidade, disse ele, sentiu grande ansiedade, especialmente nos últimos anos, quando foi atacado de pleurisia, que quase o levou deste mundo. “Deus sacudiu-me em cima do abismo do inferno. Assim fui levado a buscar a salvação de modo nunca usado antes. Senti o desejo de me separar de todas as coisas deste mundo por causa de Cristo. A busca da salvação tornou-se a preocupação principal de minha vida”.

“Desde aquele tempo comecei a ter uma nova compreensão e novas idéias sobre Cristo, Sua obra redentora e a maravilha do Seu plano de salvação. Uma doce sensibilidade vinha à minha alma, de vez em quando, e eu exultava na meditação sobre isso. Tinha grande desejo de passar meu tempo a ler e meditar sobre a beleza e o esplendor de Jesus, a excelência de Sua pessoa, e o caminho da salvação pela graça. Não encontrava quaisquer livros tão agradáveis como aqueles que tratavam destes assuntos. As palavras de Cantares 2:1 me deleitavam: “Eu sou a Rosa de Sarom, o lírio dos vales”. Parecia que este verso expressava a formosura e encanto de Cristo. Mas se estava alegre em sentir-me tão bem, não me sentia satisfeito. Havia anelos profundos da alma para Deus e Seu Filho, por mais santidade. Às vezes meu coração estava tão cheio que quase se arrebentava. Isto me trazia à memória o que dissera o salmista: “A minha alma está quebrantada de desejar”. Sentia tristeza em não ter voltado para Deus mais cedo, para ter tido mais tempo de crescer na graça. Gastava horas em pensar sobre as coisas divinas, muitas vezes andando pelas florestas e lugares solitários, em meditação, comunhão e súplicas a Deus. Em qualquer lugar onde estivesse, petições de minha alma subiam ao Trono. A oração me era tão natural como o respirar, e um modo de satisfazer meu coração ardente de amor. O deleite que agora sentia nas coisas de religião era bem mais diferente daquele que experimentara na meninice, como um cego antes de enxergar, não tendo noção das cores, tão belas e agradáveis. O gozo, agora, nas meditações espirituais era mais puro, mais íntimo, mais completo”.

tirado do site http://www.monergismo.com/

Este grande homem de Deus pode ainda falar através de seus livros e sermões o que nesta geração já poucos dão. É tremendo verificar que o Espírito Santo primeiramente trata do carácter do homem regenerado. Logo não posso aceitar nenhum homem que se apresente em nome de Deus com suas vestes tiradas de folhas de figueira e trapos de imúndicie!

Nuno Pinheiro

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

A Bíblia Sagrada, fonte de graça!

"Não foram coisas obscuras que balbuciei num canto escuro. Nunca mandei Israel inquirir de mim aquilo que nunca planeei dar-lhe! Não, porque eu, Jeová, só anuncio a verdade e o que é recto." Isaías 45:19

A Bíblia não é uma ciência oculta, nem obscura, nem relativa, nem manipulável, nem impossível de entender. A Bíblia é a Palavra de Deus e a concede a todo aquele que nele crê. A Bíblia não contém palavras de Deus... A Bíblia é literalmente, verbalmente, textualmente, linearmente a única fonte segura e completa e totalmente una em si mesma como a Palavra do Deus Eterno e Tríuno - o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

A Bíblia não pede que façamos algo que esteja no poder do nosso braço nem exalta o homem para que este se divirta num espelho torto. Antes, as Escrituras espelham toda a doença, a inimizade a Deus, a incapacidade, a imundície de nossos actos e pensamentos. Deus declara um diagnóstico lamentável de nosso estado e de nosso destino sem Cristo.

A Palavra de Deus derrama pois graça num acamado, derrama cura sobre o moribundo pois a mensagem não fica completa no reflexo de nossa imagem. Deus não poupou Seu único Filho e o entregou para que Ele, nosso bondoso redentor, pudesse receber em si mesmo a nossa própria sentença: morte!

É verdade que a morte não o conseguiu conter e que por sua ressureição temos esperança, mas não podemos esquecer que um Homem Santo e Justo foi sacrificado por um miserável pecador como eu! Quem morreria por um injusto? Quem daria a sua vida por um criminoso? Quem amaria assim?

Será que existe alguém que possa não querer vir até este Deus que tudo deu para nos resgatar? Sim, existe. Quem? - Todos! Se Deus fosse esperar que o homem reconhecesse por si mesmo os seus próprios actos de injustiça, ninguém se salvaria. Essa é a mensagem Bíblica. Que Deus não só agiu no exterior do homem, como age no seu interior, concedendo arrependimento a quem Ele quer.

Eu oro para que o Senhor te faça entender o teu pecado e a tua desgraça, de forma a poderes vir a Ele com um coração contrito e humilde, a fim de receberes a graça de Deus e o arrependimento genuíno de teu pecado para a vida de Jesus Cristo.