O que significa Calvinismo?

"Calvinismo significa que Deus, Senhor dos céus e da terra, é absolutamente soberano sobre todas as coisas, boas e más, na terra e no céu, e mais particularmente o calvinismo significa no que diz respeito à salvação que Deus escolhe e elege pessoas em Cristo que vem no tempo e coloca os seus pecados na cruz, de modo que pela Sua maravilhosa graça homens totalmente depravados e incapazes e sem qualquer livre-arbítrio, são trazidos voluntariamente ao Reino de Deus e guardados pela graça de Deus! Porque 'quem Ele predestinou também chamou, e quem Ele chamou também justificou, e quem justificou Ele também glorificou' - Romanos 8:30." Rev. Angus Stewart (www.cprc.co.uk)



terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Entrevista a Jonathan Edwards


Soberana Graça decidiu começar o ano em grande e entrevistar um dos maiores nomes do protestantismo e avivamento evangélico, o maior teólogo americano de todos os tempos, missionário e pastor, o Reverendo Jonathan Edwards.


Soberana Graça: Dr. Jonathan Edwards, é um prazer tê-lo aqui e pedir que nos ajude a entender estes tempos tão complexos que vivemos nestes dias. Concerteza haverá perguntas que o irmão não terá resposta pois no seu tempo não tinham este tipo de problemas. O que pensa ser o mais importante para a igreja de hoje, que é a igreja do seu futuro?


Jonathan Edwards: O divino amor, o amor cristão, é implantado, habita e reina ali em cada um dos verdadeiros membros da igreja invisível de Cristo, como um eterno fruto do Espírito, e como um fruto que nunca cessa. Ele nunca cessa neste mundo, mas permanece através de todas as provações e oposições, pois o apóstolo nos diz que "nada nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor." Rm 8:38, 39.


SG: Reverendo, sabendo que é um avivalista, um pregador que tem na sua experiência um dos maiores avivamentos da história do cristianismo, onde se viram muitas manifestações do Espírito e que escreveu sobre elas, o que nos pode dizer sobre a necessidade desses dons especiais que agiam no tempo dos apóstolos para os desafios do século 21?


JE: Vários teólogos têm sido da opinião que, quando vier a glória da igreja nos últimos dias, da qual é falada na Palavra de Deus, haverá novamente profetas e homens dotados com os dons de línguas e de operação de milagres, como foi nos tempos dos apóstolos; e alguns que estão vivendo agora (século 18) parecem ser da mesma opinião.


SG: Então podemos entender que os dons trazem maior glória à igreja e são prova da sua maturidade e perfeição?


JE: Profecia e milagres indicam imperfeição no estado da igreja, em vez de sua perfeição.


SG: Como assim?


JE: O estado futuro da igreja sendo assim muito mais perfeito do que nos tempos anteriores, não se inclina a provar que naquele tempo haverá dons miraculosos, mas antes o contrário.


SG: Então não concorda com esses teólogos que já defendiam isso no seu tempo?


JE: Os dons são meios designados por Deus como uma escora ou suporte, ou como um guia, se eu posso assim dizer, para a igreja em sua infância, antes que como meios adaptados a ela na sua maturidade.


SG: Mas isso é precisamente o oposto do que muitos defendem hoje ser uma igreja madura e forte espiritualmente. Como pode explicar que os milagres eram importantes na igreja primitiva e a fortaleciam na fé e no testemunho e não serem mais importantes hoje?


JE: Quando a igreja cristã começou, depois da ascenção de Cristo, ela estava em sua infância e então precisava de milagres, etc., para estabelecê-la; mas tendo sido estabelecida, e o canon das Escrituras tendo sido completado, eles cessaram. De acordo com o argumento de Paulo em 1ª Coríntios 13 o fim dos dons revelam a imperfeição deles, e quão mais inferior eles são àquele fruto ou influência do Espírito Santo que é visto no divino amor. Por que, então, deveríamos esperar que eles sejam restaurados outra vez quando a igreja estiver em seu mais perfeito estado?


SG: É o que eu tenho tentado muitas vezes indagar aos meus irmãos que defendem essa doutrina.


JE: Todos esses dons miraculosos o apóstolo parece chamar de "coisas de menino" em comparação com o nobilíssimo fruto do amor cristão.


SG: Eu ontem acordei a pensar precisamente naquela passagem que nos diz que o amor afugenta todo o medo. E dei comigo a lembrar-me quando era criança e tinha medo do escuro ao mesmo tempo em que ansiava por poderes de super-herói enquanto isso o amor somente veio à minha vida quando cresci...


JE: Os dons estão adaptados ao estado infantil da igreja, enquanto o santo amor é mais para ser esperado no seu estado varonil e maduro; e em si mesmos eles são pueris, em comparação com aquele santo amor que transbordará na igreja quando ela chegar à estatura perfeita em Cristo Jesus.


SG: Mas como entender à luz dessa passagem tão conhecida da carta aos coríntios que os dons não seriam também para vermos em manifestação nos nossos dias?


JE: O amor, o divino amor, é o fim para o qual toda a inspiração e todos os dons miraculosos que já existiram no mundo são apenas os meios. Eles foram somente meios de graça, mas o amor, o divino amor, é a própria graça; e não só isto, mas a soma de toda a graça. Revelação e milagres nunca foram dados para outro fim senão apenas para promover santidade e edificar o reino de Cristo no coração dos homens, mas o amor cristão é a soma de toda a santidade, e seu crescimento é apenas o crescimento do reino de Cristo na alma.


SG: UAU! Sinto ao ouvi-lo ecoar nos meus ouvidos as palavras do Senhor Jesus nos conduzindo ao amor sacrificial, sincero, puro, divino pelo qual o mundo saberá que somos Dele. Mas quando hoje tantos cristãos buscam dons e milagres, buscam igrejas que promovem e prometem a resolução miraculosa de todos os problemas com um simples estalar de dedos, será que estão buscando o que realmente é o mais importante para a igreja do século 21?


JE: Quando o Espírito de Deus é derramado com o propósito de produzir e promover o divino amor, ele é derramado de uma maneira mais excelente do que quando é manifesto em dons miraculosos. Isto o apóstolo claramente ensina na última parte do capítulo anterior, onde, depois de enumerar vários dons miraculosos, ele aconselha os crentes a desejarem ou procurarem os melhores dons, mas então acrescenta: "E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho mais excelente", isto é, procurar a influência do Espírito de Deus, operando amor, o divino amor, no coração.


SG: Então não podemos concluir que Deus pode fazer de uma maneira completamente inesperada o derramar do Seu Espírito sobre a igreja de hoje?


JE: Certamente as Escrituras, quando estão falando do futuro estado glorioso da igreja como sendo um tão excelente estado, não nos dão nenhuma razão para concluir que o Espírito de Deus será derramado naquele tempo de alguma outra maneira do que deste modo mais excelente. E indubitavelmente o modo mais excelente do Espírito é para o estado mais excelente da igreja.


SG: Mas se na igreja primitiva houve milagres a igreja ao caminhar para um patamar de maior aproximação das bodas do Cordeiro, não demonstrará que terá de ter todos os dons passados e prometidos?


JE: O estado futuro da igreja sendo assim muito mais perfeito do que nos tempos anteriores não se inclina a provar que haverá dons miraculosos, mas antes o contrário. Pois o mesmo apóstolo no texto e contexto, fala destes dons extraordinários cessando e desaparecendo para dar lugar a uma qualidade de frutos ou influências do Espírito que são mais perfeitas.


SG: O senhor está sempre nos indicando as Escrituras...


JE: Se você apenas ler o texto em conexão com os dois versículos seguintes, verá que a razão implícita por que profecia e línguas cessam e o amor permanece é esta, que o imperfeito prepara o caminho para o perfeito, e o menos excelente para o mais excelente; e o mais excelente, ele declara, é o amor.


SG: Acho que não há dúvidas que possam resistir de boa fé a esta exposição contundente da Palavra de Deus feita por si, Rev. Jonathan Edwards. Deixo aqui indicado a quem desejar aprofundar num estudo do que se tem falado aqui, a adquirir e ler o livro deste nosso irmão do século 18, chamado "O Dom Maior" da Editora Fiel.

Reverendo, foi um prazer tê-lo entrevistado e muito lhe agradeço por uma vida de labores que tenha deixado tão grandes referências para a igreja de Cristo ainda depois de mais de 200 anos.


"PERMANEÇA o amor fraternal." Hebreus 13:1

4 comentários:

pastor manuel luzia disse...

Sempre a surpreender...

Gostei da ideia, muito interessante e edificante. Vejo que tem veia para o jornalismo... hehehe

Um abraço.

Pastor Luzia

Ana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Nuno Pinheiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.