O que significa Calvinismo?

"Calvinismo significa que Deus, Senhor dos céus e da terra, é absolutamente soberano sobre todas as coisas, boas e más, na terra e no céu, e mais particularmente o calvinismo significa no que diz respeito à salvação que Deus escolhe e elege pessoas em Cristo que vem no tempo e coloca os seus pecados na cruz, de modo que pela Sua maravilhosa graça homens totalmente depravados e incapazes e sem qualquer livre-arbítrio, são trazidos voluntariamente ao Reino de Deus e guardados pela graça de Deus! Porque 'quem Ele predestinou também chamou, e quem Ele chamou também justificou, e quem justificou Ele também glorificou' - Romanos 8:30." Rev. Angus Stewart (www.cprc.co.uk)



quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Jogo Duplo: Um Pentecostal é...


É com grande cuidado que escrevo estas linhas, mas fica desde já a minha intenção clarificada que não pretendo ferir mas suscitar apenas a reflexão e mesmo provocar através de humor uma análise deste movimento religioso que atravessa todas as religiões com particular estrago no Cristianismo bíblico.

"Pergunta nº 100 (de cem por cento, de sem vergonha, de sem credo, e de sem história):

- Um Pentecostal é:
Hipótese A............... Um Ignorante
Hipótese B............... Um Apóstata
Hipótese C............... Um Herege"

Esta podia ser uma pergunta no Jogo Duplo da RTP 1. A questão seria em arranjar a resposta errada, pois de facto um pentecostal qualifica-se nas três categorias.

IGNORÂNCIA
Ora vejamos. Quanto à ignorância temos justa causa para nem sequer nos alongarmos na explicação. O pentecostal ignora a exegese, a hermenêutica, as línguas originais, a história, a orgânica eclesiástica, os sacramentos, as confissões e os credos, a liturgia e por último a própria Bíblia. Um pentecostal anda nos lombos da tolerância das denominações enfraquecidas doutrinariamente e é ele mesmo o cumprimento das várias admoestações de Deus acerca da falta de conhecimento do seu povo associada à falta de amor pela sua Palavra e seus caminhos. A ignorância faz com que o pentecostal ore sem entendimento, louve sem conteúdo e se relacione sem verdade.

APOSTASIA
Um pentecostal é um apóstata pela sua história e pela sua inclinação à novidade e a tudo o que lhe agrada. Charles Finney, pai deste movimento era apóstata do presbiterianismo e rejeitou as doutrinas que durante mais de duzentos anos servia de unidade e força nas igrejas protestantes. De facto um apóstata define-se pela máxima de Cristo "de que vale ganhar o mundo inteiro e no fim perder a sua alma?". Os pentecostais carregam todas as suas mentiras e justificam todas as fraudes e escândalos com aquilo que chamam "ganhar almas" ou com outra boa desculpa chamada "batalha espiritual". Os seguidores de Demas amam mais o mundo do que amam a Deus e tudo no final de contas não acaba noutro porto que não seja o do cifrão. Os pentecostais são apóstatas porque antes deles não havia ninguém assim e como eles nenhuma semelhança têm os que eles chamam de antecessores.

HERESIA
Será que temos 3 em 3? Sem exageros ou torcer os factos acho que temos de facto também a heresia do lado do pentecostalismo. Não preciso de falar dos escândalos de seus líderes ou guias de cegos. Não preciso de falar de que os mesmos apanhados no flagra não são examinados por ninguém nem ninguém tem poder para os disciplinar. E se nalguns casos têm, logo após uma choradeira pública são readmitidos ao ministério. Os pentecostais são hereges porque suas doutrinas são anti-cristãs e porque resistem à verdade e distorcem até a própria história para lhes servir de base de credibilidade. Um herético tem a habilidade de ter sua opinião, sua perspectiva, sua visão, sua experiência acima de tudo e de todos.

Com isto não quero dizer que não hajam cristãos que ainda se encontrem nas igrejas pentecostais, como não pretendo ofender ninguém, mas antes suscitar àqueles que se encontrem na única categoria que contém alguma esperança, a oportunidade de arrependimento e saída da denominação que está operando a perdição de muitos e o vexame ao nome de Jesus Cristo.

Como eu estive dez anos nas infertilidade pentecostal de ser, e como fui privado de crescer durante dez anos na graça e no conhecimento de meu Senhor e Deus, assim tenho convicção que existem muitos mais perdidos e errantes que sentem um clamor para sair para fora dessas Sinagogas de Satanás, como lhes caracterizaria a esplêndida Confissão Belga dos nossos irmãos da reforma!

11 comentários:

Célio R. disse...

Encontrei seu blog a pouco e gostei muito já adicionei para receber atualizações em meu blog...

Anónimo disse...

Querido Nuno,

É lamentável como muitos ainda não conseguem enxergar o quanto o pentecostalismo é tudo aquilo que acabaste de descrever. Parabéns pela coragem e acho que chegou a hora de sermos mais enfáticos nas nossas convicções e tratarmos o pentecostalismo como de facto ele deve ser tratado, a saber, como heresia.
Gerson.

Lucio Mauro disse...

É preciso protestar! Ainda estamos na reforma. Não estamos reformando nossa teologia, isso Deus já nos proporcionou. Precisamos reformar a sociedade em nossa volta. Enquanto nos calamos, os pentecostais espalham seu ácido corrosivo.
Cheeeeeeeeeega!
Reforma é necessário.

Daniel M.S. disse...

É meu irmão...
Existem irmãos nossos, eu creio, que precisam ser esclarecidos e isso significa que eles são tudo isso que você falou,assim como nós, quando andávamos meio que perdidos "em nossos delitos e pecados" e também em meio aos livros e pensamentos, fruto de nossas reflexões idealistas e conformistas.Quero deixar aqui um testemunho:

Definitivamente abandonei o “poder” pentecostal porque todos os pentecostais são ensinados a buscar, clamar e reivindicar um “poder” que de maneira alguma é o poder de Deus. Ao contrário, é um “poder” vazio e sem resultados. Um “poder” que mexe somente com as emoções daqueles que são mais sensíveis e fracos, sem mexer com o mais fundamental: as suas vidas. Por toda a Escritura e durante toda a história cristã dos verdadeiros reavivamentos (como o dos tempos de Jonathan Edwards, George Whitefield, John Wesley, Spurgeon, etc) sempre o resultado desses derramamentos de poder (genuíno) foi o arrependimento dos pecados e uma volta à Palavra de Deus. Curiosamente a geração que hoje reivindica passar por avivamento é uma geração apóstata, uma das gerações mais ignorantes acerca das Escrituras que já existiu; uma geração de “crentes” legalistas, facciosos, trambiqueiros, fariseus e sem uma vida piedosa. Como o Dr. Russell Shedd disse: “Somos 25 milhões de evangélicos no Brasil. Onde está o poder dessa multidão?” A resposta é clara: o Brasil ainda não passou por um verdadeiro avivamento, mas tem passado por diversos movimentos de emocionalismo e falsificações. Rejeito o “poder” pentecostal porque ele carece de provas de genuinidade, não passando pelo crivo da experiência (pois não gera transformações), muito menos no das Escrituras. Em que os crentes pentecostais são melhores do que os ditos tradicionais? São as suas vidas mais piedosas? São mais consagrados? Pelo contrário, se fôssemos fazer comparações (e este não é o nosso objetivo), teríamos razões para crer no exato oposto, porque o maior índice de casos de adultérios e roubos são encontrados nas igrejas pentecostais e neo-pentecostais.
O mais interessante é que, visto que os sinais característicos de um verdadeiro avivamento estão ausentes das igrejas pentecostais, elas têm inventado substitutos para estes. Ao invés de arrependimento, vemos “línguas” (realmente estranhas!) por todos os lados. Ao invés de vida piedosa, vemos pessoas caindo no chão por um “poder” ainda mais estranho. Ao invés de uma volta à Palavra, vemos uma busca desenfreada por “novas revelações” e profecias mentirosas. Ao invés de amor, vemos divisão e facção (geralmente estas igrejas se consideram a mais santa de todas, ou melhor, a única!). Os contrastes alarmantes poderiam ser multiplicados ad infinitum.
O mais interessante é quando pessoas que dizem crer nas doutrinas da graças, ou seja, na salvação exclusivamente pela graça, começam a crer e propagar esse “poder”. Pessoas que dizem crer numa salvação pela graça, mas num reavivamento pelas obras. Pessoas que seguem o ensino de Calvino e seus seguidores na sotereologia, mas o de Pelágio, Finney e companhia no reavivamento. Ora, se tais manifestações ocorrem somente nestes recintos, eles são merecedores delas? Se nas igrejas reformadas (que sem dúvida são as mais fiéis no ensino da Palavra de Deus) não se manifesta tal “poder”, porque deveria ele se manifestar naquelas que mais e mais se distanciam da verdade? A resposta só poder ser: ou esse “poder” é meramente emocional ou ele é diabólico. Todas as bênçãos espirituais foram adquiridas por Cristo para TODOS que fazem parte do Seu povo. Paulo diz que Deus “nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo” (Efésios 1:3). Dizer que alguns crentes não desfrutam das bênçãos que Cristo adquiriu ou que não desfrutam do “melhor da graça”, é simplesmente dizer que eles não são crentes!
E por último, e não menos importante, deixei o “poder” pentecostal porque ele é um “poder” dissociado da Palavra. Um “poder” que se manifesta justamente naquelas igrejas que não são totalmente fiéis às Escrituras e onde a pregação da Palavra está longe de ter um lugar proeminente. O poder que eu quero é o poder que nos transforma, que nos santifica e ajuda a viver mais perto de Deus. Não quero ter meus sentimentos estimulados, mas sim a minha vida transformada dia a dia pelo poder da Palavra de Deus, aplicada pelo Espírito Santo. E o poder santificador reside justamente na Palavra de Deus e não nas artimanhas dos homens. Jesus orou: “santifica-os na verdade” (João 17:17). É a verdade que nos santifica e não os gritos, berros e “corridas” na igreja. Foi para isso que fomos chamados, para viver inteira e exclusivamente para Deus. Como bem expressa o Catecismo de Westminster: “o dever do homem é amar a Deus e glorificá-lo para sempre”. E não é emocionalismo que gerará isso, mas sim a pregação simples e pura da Palavra de Deus, na dependência do Espírito Santo.


Cuiabá-MT, 17 de Maio de 2004.
Felipe Sabino de Araújo Neto
Ex-membro da Assembléia de Deus (por motivos óbvios

Jhonatan Alves disse...

Gostei Muito!!!

È muito importante estarmos consciente de que o “movimento pentecostal” é uma ameaça ao evangelho da Graça. E assim como Cristãos que zelam pela pureza da mensagem Divina, tenhamos coragem de enfrentar os inimigos, certos de que o poder transformador está na palavra de Deus....

Abraços Reformados de um Ex-pentecostal!!!!!!

eusebio disse...

Querido irmão em Cristo, a paz do Senhor Jesus!
Louvo a Deus pela sua vida e desejo de servir ao Mestre na seara.
Estarei orando pelo irmão, para que o Soberano Deus o ilumine e lhe dê o Espirito de sabedoria e que possa evidenciar o fruto do Espirito que deve conhecer tão bem.
Lembre-se sempre de que o Senhor Deus é Soberano e que nós somos apenas "servos". Não seja precipitado no que fala e escreve nem que seja pelo muito zelo na obra do Senhor. Um dia TODOS iremos prestar contas de tudo.
Soli Deo Glória!!

eusebio disse...

Querido irmão em Cristo, a paz do Senhor Jesus!
Louvo a Deus pela sua vida e desejo de servir ao Mestre na seara.
Estarei orando pelo irmão, para que o Soberano Deus o ilumine e lhe dê o Espirito de sabedoria e que possa evidenciar o fruto do Espirito que deve conhecer tão bem.
Lembre-se sempre de que o Senhor Deus é Soberano e que nós somos apenas "servos". Não seja precipitado no que fala e escreve nem que seja pelo muito zelo na obra do Senhor. Um dia TODOS iremos prestar contas de tudo.
Soli Deo Glória!!

Nuno Pinheiro disse...

Eusébio,

Uma vez falou e duas vezes o li.

Fico feliz que gostou muito do meu post e que está confiante que as verdades impactam. Tembém é verdade que com a verdade ninguém verdadeiramemte tem a temer o juizo de Deus que em verdade e com verdade julgará cada um de nós.

Espero que passe a amar a verdade antes daquele grande e terrrível dia em que o joio da mentira e do assim-assim serão separados do trigo da verdade de Cristo nos corações de seus eleitos.

Corrija-me sempre pela falta de verdade que por acaso me vier a reparar, mas corrigir-me para ser mais politacamente correcto ou disfarçadamente mentiroso não vai ser senão uma perda de tempo.

Eu não busco ganhos e benefícios por isso não me interessa nada mais do que a defesa da Igreja do Senhor dos predadores da fé que se abrigam debaixo das asas do dragão pentecostal!

Soli Deo Glória

Anónimo disse...

Boa noite.
Prezado Irmão Eusébio, li o que escreveu: "Não seja precipitado no que fala e escreve nem que seja pelo muito zelo na obra do Senhor."

Interessante que o Apóstolo Paulo não se importava nada com o que os outros pudessem pensar a respeito daquilo que ele dizia e defendia quanto à fé, à Pessoa de Cristo, etc. Ele sempre demonstrou verdadeiro zelo pela Obra do Senhor e não vejo que ele se tenha precipitado quando fazia defesa da Verdade, do Evangelho da Graça de Deus. Ele queria era agradar a Deus e não aos homens. Ele pouco se importava se os homens gostavam ou não daquilo que ele dizia, o importante e fundamental era que estivisse a agradar a Deus.

Por isso Irmão Nuno, continue também a defender a pureza do Evangelho.

Abraços.
M.L.

João Vasconcelos disse...

A Graça e paz de Jesus estejas com todos nós. De tudo o que pode ser questionável acerca das variantes das igrejas cristãs, lembrem-se primeiro que a guerra é contra potestades. O inimigo esta identificado. Lutem contra ele. Por favor nunca devemos esquecer de que o Deus é o mesmo, assim como o nosso Jesus e a Bíblia é a mesma. Ajudem-se uns aos outros em duvidas para que possamos crescer juntos em fé e conhecimento. Com essas guerras só sai um vencedor, satanás. Não aceitem isso por cada vez mais as igrejas de Cristo saem divididas e por consequência, fracas. Fiquem em paz

Simonton disse...

Prezado Nuno,
Parabenizo pela firmeza e clareza na exposição do perigo chamado pentecostalismo, que já deu cria, e atende pelo nome de neo-pentecostalismo. Este último, uma mistura de prática espírita com jargões pentecostais e versículos bíblicos, tem enganado muitos. Mas o pentecostalismo está no discurso de muitos que se dizem reformados, e contando com as boas maneiras e politicamente corretas de muitos de nós, ainda dará muitas crias perniciosas.
Paulo a Tito afirma "é preciso fazê-los calar..." e Jesus a Tiatira "tenho contra ti o telerares...". A tolerância não repreende o engano, antes deixa o enganado morrer no seu engano.
Que Deus o conserve firme e vivendo na dependência dEle para continuar falando a verdade do Senho Jesus com toda fidelidade.
Ashbel Simonton - Vitória-ES